Redução de crédito no último ano nos Açores foi de 6,5% do PIB...

notasA história recente da importância da banca na economia regional conta-se em 2 números.
O primeiro é que entre o 1º trimestre de 2009 e o 1º trimestre de 2011, o montante de empréstimos concedidos pela banca nos Açores às famílias, nos segmentos de habitação e consumo, cresceu a uma média de 0,78% por trimestre. E o segundo é que entre o 2º trimestre de 2011  e o 3º trimestre de 2013, houve uma contração de -1,01% por trimestre.
Os últimos dados do Banco de Portugal sobre o crédito são claros: uma tendência de aumento continuada e depois uma quebra sucessiva. Em termos absolutos, neste momento as famílias açorianas registam 3.397 milhões de euros de crédito, o que é menos 145 milhões de euros que em 2012 e menos 287 milhões que em 2011.
Em média, trata-se de uma redução de 145 milhões de euros por ano nos últimos 2 anos. É uma redução brutal, especialmente tendo em conta o seu peso em termos do PIB. Considerando o valor do PIB de 2010 (3.743 milhões de euros), a redução média anual do crédito é de quase 4%.
Mas para além do crédito às famílias, há ainda o crédito às empresas. Neste caso, a tendência de redução foi um pouco mais tardia, começando a sentir-se apenas no 1º trimestre de 2012. No último ano, registou-se um redução de 96 milhões de euros. Se esse valor for acumulado à redução do crédito às famílias, esses 241 milhões de euros representam cerca de 6,5% do PIB regional...
Dito assim, estes dados poderiam ser suficientes para explicar a grave crise que assentou arraiais nos Açores e que tem o seu expoente no contínio aumento da população desempregada, que neste momento já ultrapassou a média nacional. No último trimestre, a média é de 17,7 de desemprego, o com um total de cerca de 21.500 desempregados, o que é o maior valor de sempre. Ontem mesmo os dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional indicam que no último ano houve um aumento do número de inscritos nos centros de emprego superior a 20%, atingindo 18.863 pessoas.
No entanto, a verdade é que os Açores têm sido mais poupados que o resto do país na contracção do crédito. A uma redução no último ano de 4,09% no crédito às famílias na Região, equivale uma redução de 4,9% no país; e enquanto que nos Açores o crédito às empresas baixou 4,03%, no resto do país a redução foi de 7,6%, muito próxima do dobro. Mesmo em termos dos respectivos PIB, a redução do crédito no país representa 7,54% do PIB nacional.
Ou seja, a nível nacional o recuo da banca foi ainda maior que nos Açores, embora a recuperação da economia pareça estar a processar-se a um ritmo muito superior...