SATA diz que pôs DASH-200 à venda para perceber o seu valor de mercado...

sata dash-200“Hoje fui confrontado com o anúncio de que um dos Dash 200 da SATA Air Açores está à venda, mais precisamente o CS-TRB, de seu nome Graciosa”. Foi assim que o líder e deputado do PCP-Açores, Aníbal Pires, começou um texto sobre o assunto no seu blog pessoal, posteriormente passado ao Facebook e depois tratado pela comunicação social.
Aníbal Pires sugeria que a razão tinha a ver com a perda da rota Funchal-Porto Santo, que era operada por um dos 2 aviões deste género que a SATA tem, adquiridos no pacote da Bombardier, que incluiu os Dash-400 (que são os maiores). Diz o deputado: “Quem viaja na SATA Air Açores e dadas as características da sua operação facilmente conclui que a aeronave a mais, se é que há aeronaves a mais, é um Dash 400. Só razões que a razão desconhece podem justificar esta opção da administração e do Governo Regional, eu por mim diria que tem a ver com o financiamento para a aquisição da frota dos Dash 400”.
“Relevante é o facto de a administração da SATA e o Governo Regional nada dizerem sobre a estratégia para o Grupo SATA, a venda do avião Graciosa, não é um mero ato de gestão. Relevante é o facto de, ao invés de se procurar mercado para os Dash 400, e há mercado para a operação aérea destas aeronaves, se tenha decidido pela venda de um Dash 200. A SATA Internacional e mesmo a SATA Air Açores estão a ser alvo de um processo de desmantelamento, só isso pode justificar um conjunto de decisões e eventos que há cerca de um ano a esta parte têm vindo a acontecer com o Grupo SATA”.
À Antena 1, o deputado referia que lhe tinha sido passado por email por um amigo. Algumas horas depois era publicada cópia no grupo “Açores Global”, do Facebook.
A Antena 1 pegou no assunto e às 8h30 resumia o seu contacto com a empresa assim: “o porta-voz da SATA diz que com a saída da rota do Funchal a transportadora fez uma consulta para saber o valor de mercado do Dash-200 Graciosa, mas a venda é apenas uma das hipótese”.
Mas a partir de certa altura a posição da SATA parece ter-se alterado. Num dos intercalares da tarde, a rádio refere novo contacto, desta vez com a administradora Isabel Barata, que refere taxativamente: “Nós neste momento não vamos vender, está fora de questão”. Pouco depois, a empresa divulgava mesmo um comunicado de imprensa, em que refere que “face às notícias veiculadas pela comunicação social que alegam estar à venda uma aeronave da sua frota, nomeadamente um “Dash Q200”, a SATA esclarece: 1. Ao contrário do que referem as notícias vindas a público, a aeronave “Dash Q200”, que integra a frota da companhia, não está no mercado para venda. 2. As consultas e a circulação de informação junto do mercado de aviação, resultam de auscultação do mercado no âmbito de estudos que são realizados com regularidade e que têm como objetivo a permanente avaliação dos seus ativos. 3. Assim, a SATA reitera uma vez mais que a aeronave em causa, ou qualquer outra aeronave desta companhia, não está no mercado para venda, nem estão em causa quaisquer postos de trabalho”.
O documento que andou a circular, referia claramente “Dash 8-202 for sale” (Dash 8-202 para venda”  e que a “DAT LITE, como agente de vendas exclusivo, tem o prazer de oferecer para venda este Dash 8?202 aircraft”. Segundo o historial apresentado, “a aeronave foi construída em 25 de Maio de 1997 e entregue à Horizon Air, nos EUA. A SATA AIR AZORES comprou-a em 2010, actualizou-a para os padrões da EASA (European Aviation Safety Agency), registou-a como CS-TRB e opera-a em Portugal. A aeronave não tem um historial de danos significativos. A sua localização actual é Ponta Delgada, Açores, Portugal”.
O documento refere que a DAT Lite faz parte do está baseada na Lituânia e que faz parte do grupo Danish Air Transport. O site que é referido, no entanto, não está activo (www.datlite.lt).