Sindicatos aguardam interpretação da SATA sobre acórdão do Tribunal Constitucional

  • Imprimir

sata2O porta-voz da plataforma de sindicatos da SATA disse ontem aguardar “esperançado” pela interpretação que a administração e o accionista da empresa, o Governo Regional, fazem do acórdão do Constitucional que chumbou os cortes salariais de 2014
Os sindicatos da SATA reúnem-se pela primeira vez hoje, em Ponta Delgada, com o novo conselho de administração da transportadora aérea dos Açores, para retomar as negociações interrompidas em dezembro de 2013, pelo anterior presidente da empresa, Gomes de Menezes, que entretanto apresentou a sua demissão, tendo sido substituído no cargo por Luís Parreirão.
Os sindicatos pretendem que os trabalhadores sejam compensados por medidas de austeridade impostas pelo Orçamento do Estado de 2014, à semelhança do que aconteceu em 2013, por via da celebração de um memorando de entendimento assinado entre as duas partes, após duas greves.
“Até o próprio Governo Regional tem algumas dúvidas sobre algumas situações do acórdão do Tribunal Constitucional. Esta reunião irá servir para clarificar muitos desses pontos”, declarou ontem Bruno Fialho à agência Lusa.
“Estamos muito esperançados nas negociações, mas também estamos esperançados em que certos membros do Governo dos Açores não interfiram tanto na gestão da SATA, para que esta possa crescer e continuar a representar bem a região”, declarou Bruno Fialho.
O sindicalista considerou que houve “muitas ingerências” por parte de pessoas que já pertenceram à administração da SATA, numa alusão ao actual secretário regional do Turismo e Transportes do Governo Regional, Vítor Fraga.
O secretário regional dos Transportes tem rejeitado estas acusações de ingerência na SATA, tendo dito na semana passada que “é normal” que o Governo Regional “dê indicações, no âmbito da relação entre o accionista e a empresa”, mas não há “mais nenhuma indicação para além destas”.
A plataforma de sindicatos da SATA aguarda que este novo ciclo da operadora, com um novo presidente do conselho de administração, traga “boas notícias” para o futuro, defendendo Bruno Fialho que os trabalhadores sejam “devidamente recompensados” pela espera.
Na mesa das negociações vão estar ainda questões como a actual gestão da SATA, a renovação da frota de aviões de médio e longo curso e a admissão de novos trabalhadores para fazer face ao que a plataforma considera serem necessidades imediatas. A plataforma de sindicatos da SATA é composta por seis sindicatos: Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA), Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) e Sindicato dos Quadros da Aviação Comercial (SQAC).