Remodelação do Governo inclui quatro novos Secretários

  • Imprimir

Vasco Cordeiro3O presidente do Governo Regional dos Açores transmitiu, domingo, ao Representante da República para a Região Autónoma dos Açores, uma reestruturação orgânica do XI Governo Regional.
De acordo com a agência Lusa, são criados dois novos departamentos governamentais: a Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, sedeada na cidade da Horta; e o Secretário Regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares, sedeado em Ponta Delgada.
Assumem estas novas secretarias Isabel Maria Duarte Almeida Rodrigues, como Secretária Regional Adjunta da Presidência para os Assuntos Parlamentares; e Fausto Costa Gomes de Brito e Abreu como Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia.
Na reestruturação orgânica do Governo Regional, registam-se ainda saídas de Piedade Lalanda da Secretaria Regional da Solidariedade Social, que agora será assumida por Andreia Martins Cardoso da Costa; bem como de Luiz Fagundes Duarte da Secretaria Regional da Educação, Ciência e Cultura, assumindo Avelino Meneses, antigo reitor da Universidade dos Açores, a “nova” Secretaria Regional da Educação e Cultura.
Ainda no âmbito desta reestruturação orgânica, a Secretaria Regional dos Recursos Naturais, passará a designar-se Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente, mantendo-se na tutela Luís Nuno Ponte Neto de Viveiros.
O presidente do Governo tornou público, em comunicado publicado pelo Gabinete de Apoio à Comunicação Social, o seu agradecimento aos membros cessantes do Executivo pela dedicação e pelo empenho demonstrados no exercício das funções desempenhadas no XI Governo Regional dos Açores.
À tomada de posse dos novos membros do Governo Regional, a realizar-se perante a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, seguir-se-á a nomeação de novos Directores Regionais.

PSD diz que os Açores passam a ter um Governo maior e com os mesmos problemas

O PSD/Açores considerou ontem que o resultado da remodelação do Governo Regional socialista é um executivo “maior e com os mesmos problemas”, não adivinhando mudanças em políticas que não resolvem os problemas da região.
“As alterações comunicadas envergonhadamente significam, desde logo, mais um compromisso não cumprido pelo Partido Socialista, que antes das eleições prometia um executivo pequeno e agora aumenta o número secretarias para assegurar a manutenção dos equilíbrios internos do partido”, considera a Comissão Política Regional do PSD/Açores, num comunicado.
Mas para a direcção do PSD/Açores, estas mudanças são também “a confissão pública de que as políticas de solidariedade social não estão a gerar resultados e que a inatividade do executivo socialista nos últimos meses teve como resultado a maior crise social da autonomia”.

CDS-PP considera “tardia e coxa” remodelação

O líder do CDS/PP-Açores, Artur Lima, considerou ontem “tardia e coxa” a remodelação do Governo Regional.-
Em declarações à agência Lusa, Artur Lima considerou que o PS “já não tem capacidade de renovação” e lamentou que tenha de recorrer a “velhas glórias”, algumas das quais apresentam já, no seu entender, uma imagem “desgastada”.
“É, portanto, uma remodelação tardia e coxa, feita com velhas glórias do PS, que não me parece que traga grandes mudanças de política”, apontou o dirigente do CDS, que entende que o presidente do Governo Regional dos Açores deveria ter feito uma remodelação “mais profunda”.

PPM diz que remodelação era “expectável”

O líder do PPM, Paulo Estevão, considerou ontem “expectável” a remodelação no Governo anunciada no domingo.
“De facto, existiam no Governo [Regional] áreas muito condensadas que era essencial melhorar”, disse o dirigente monárquico, em declarações à agência Lusa, recordando que as áreas alteradas já tinham sido “criticadas” inclusivamente pelo PPM.
Paulo Estevão, que é deputado no parlamento dos Açores, considerou ainda positiva a criação de uma nova Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, por entender que representa uma “aposta” num “sector estratégico” como os recursos marinhos.
Outra remodelação elogiada pelo dirigente monárquico é a mudança do titular da pasta da Educação, que agora ficará a cargo de Avelino Meneses, antigo reitor da Universidade dos Açores, uma “figura de prestígio” que poderá ajudar a melhorar o sector.

Remodelação “era uma evidência”, afirma PCP

O líder do PCP/Açores, Aníbal Pires, considerou ontem que a remodelação do Governo Regional “era uma evidência”, atendendo à composição “demasiado curta” do executivo.
“A composição do Governo [Regional] era demasiado curta, com super-secretarias que acumulavam responsabilidades e tornavam o executivo algo ineficaz”, justificou o dirigente comunista, em declarações à agência Lusa.
No seu entender, mais importante do que a mudança de nomes de titulares de diversas pastas, sobre os quais não se pronuncia, é que haja também uma mudança de políticas no arquipélago. “Os Açores estão a atravessar uma grave crise económica e social e é necessário que a os Açores utilizem todas as competências estatutárias que estão ao seu alcance para tentar ultrapassá-la”, insistiu Aníbal Pires.

Novo titular da Educação “tem todas as condições” para resolver problemas
 
O Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA) considerou ontem que o novo titular da pasta da Educação no Governo Regional “tem todas as condições” para responder aos “inúmeros problemas” que assolam o sistema educativo açoriano.
“Acreditamos que pela formação que tem, o professor doutor Avelino Meneses, sendo um conhecedor como é da educação ao nível do sistema educativo regional, tem e terá todas as condições para dar resposta aos inúmeros problemas que assolam o sistema educativo regional”, afirmou à agência Lusa António Ferreira, presidente em exercício do SDPA, reconhecendo a “formação académica de qualidade elevada” do futuro governante.
António Ferreira disse, ainda, esperar do novo governante que consiga fomentar o diálogo, a negociação e saiba reconhecer o papel dos sindicatos na construção da qualidade da educação nos Açores.

Pescadores dos Açores dizem que criação de Secretaria do Mar é “boa medida, mas tardia”

O presidente da Federação das Pescas dos Açores considerou ontem uma “boa medida, que peca por tardia”, a criação da Secretaria do Mar no Governo Regional.
“Uma mega Secretaria como aquela que estava criada”, que “englobava pescas, agricultura, florestas, ambiente, mar, era tão dispersa que a pesca ficava a perder”, disse José António Fernandes, em declarações à agência Lusa.
A nova Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia terá as pescas entre as suas competências, pasta que deixa de estar da Secretaria dos Recursos Naturais, que passa a englobar apenas as áreas da Agricultura e do Ambiente.
José António Fernandes sublinhou que a pesca tem “um peso muito grande” nos Açores, sendo dos sectores que emprega mais pessoas e mais exporta e que até há algum tempo, em executivos anteriores, havia um subsecretário regional “só para as pescas”, que tinha assento no Conselho do Governo açoriano e “conhecia bastante os problemas da pesca e dos pescadores”.
“Era totalmente diferente da mega Secretaria actual em que o senhor secretário, que respeito muito, tinha muito mais conhecimento da agricultura do que das pescas e onde tinha uma responsabilidade enorme neste conjunto de direcções regionais”, afirmou, acrescentando: “era uma Secretaria tão dispersa que nós ficávamos perdidos ali algures no meio daquilo tudo”.