Açores com um dos maiores crescimentos nos edifícios e alojamentos

  • Imprimir

alojamentos e edificiosEntre 2001 e 2017, verificou-se um acréscimo global de 13,0% nos edifícios e 10,9 % nos alojamentos, com o Algarve e a Região Autónoma da Madeira a registarem os maiores acréscimos nos edifícios (22,7% e 21,5%, respectivamente) e nos alojamentos (19,1% e 20,2%, respectivamente), revelou ontem o INE.

A Região Autónoma dos Açores e a Área Metropolitana de Lisboa registaram crescimentos acima da média nacional: +15,3% e +15,1% nos edifícios e +15,3% e +14,5% nos alojamentos, respectivamente. 

Entre 2001 e 2017, nas restantes regiões registaram-se crescimentos inferiores à média nacional, tendo o valor mais baixo sido observado no Alentejo, com um acréscimo de 10,0% nos edifícios e 5,4% nos alojamentos. 

As estimativas do parque habitacional para 2017 apontam para uma predominância de alojamentos de tipologia T3 (22,6%). 

Esta tipologia tem maior expressão nas regiões Norte, Centro, Alentejo e Açores. 

Nas restantes regiões predominam os alojamentos de tipologia T2. 

 

Prazo das obras mais curto nos Açores

 

Em termos de prazos de execução efectivos, as obras concluídas em 2017 demoraram cerca de 21 meses a ser concluídas, tal como em 2016. 

As obras de construção nova foram as que demoraram mais tempo a ser executadas (23 meses), por oposição às obras de alteração (10 meses). 

Na região Norte o prazo efectivo de execução das obras concluídas foi mais longo (25 meses), enquanto na Região Autónoma dos Açores se registou a mais curta duração (13 meses).