Secretário da Saúde também “interveio” com telefonema

hospital angra

Inquérito sobre o caso da evacuação médica

O relatório do inquérito da Inspecção Regional de Saúde sobre o caso da evacuação médica de uma familiar da Presidente do Hospital de Angra foi ontem entregue ao parlamento regional pelo Presidente do Governo, que o tinha mandado instaurar, depois da Secretaria da Saúde ter considerado “não existir necessidade de abrir inquérito”.

O relatório, a que o nosso jornal teve acesso, é bastante extenso, com muitas transcrições dos vários testemunhos e pessoas envolvidas no caso (19 pessoas), mas não chega a conclusão nenhuma, fazendo apenas recomendações relacionadas com organização interna das várias unidades intervenientes.

O próprio Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, faz no fim um despacho, onde não responsabiliza ninguém, fazendo também apenas recomendações aos organismos intervenientes e pedindo à Secretaria da Saúde, Serviço Regional da Protecção Civil e Hospital de Angra para procederem a vários melhoramentos em termos organizativos.

Em próximas edições o nosso jornal dará conta de mais informações contidas no relatório, mas, para já, ressalta num depoimento do Presidente do Serviço regional da Protecção Civil que, afinal, o Secretário Regional da Saúde, Rui Luis, tinha conhecimento de tudo o que se passou no dia do próprio caso que gerou toda a polémica, tendo mesmo feito telefonemas.

De acordo com o relato, o Presidente da Protecção Civil, Carlos Neves, ligou naquele dia para a médica reguladora “ a transmitir que o Secretário Regional da Saúde terá tido informação de que a criança da Graciosa está estabilizada e que se tornou mais grave e mais urgente evacuar a senhora da outra ilha, que é São Jorge”.

Os relatos confirmam a interferência da Presidente do Hospital de Angra e agora, também, fica-se a saber que até o Secretário da Saúde interveio com telefonema a dar a sua opinião.

Nas próximas edições daremos conta de mais pormenores.