Artigos

Berta Cabral afirma que “os Açores não estão a ser bem governados”

berta-cabralA presidente do PSD/Açores considerou este fim de semana que "os Açores não estão a ser bem governados", numa alusão que confirmou com "números que não enganam, pois os recursos não foram aplicados nos Açores com a mesma eficiência e eficácia com que o foram noutras regiões da Europa, não se podendo atribuir as culpas à crise internacional despoletada em 2008, como o PS bem tentou fazer para iludir os açorianos", referiu.

"Na visão oficial do Palácio de Santana, os Açores estariam a crescer ao aproximarem-se do PIB nacional e da média do PIB europeu mas, na versão real e nos dados estatísticos, nós não estamos a crescer, mas a decrescer menos que os outros. Ou seja, os ricos é que retrocedem para o nosso nível e, portanto, só estamos a convergir na pobreza. Factos são factos e o mal dos outros não nos serve de consolo, pelo que só há uma conclusão a tirar: os Açores não estão a ser bem governados", disse Berta Cabral.

A líder social-democrata falava na abertura do conselho regional do PSD/Açores, que reuniu em Angra do Heroísmo, num momento que classificou "de mudança nacional e a anteceder a mudança regional pois, no primeiro semestre deste ano, em Portugal e nos Açores, o PSD somou duas grandes vitórias e o PS acumulou duas pesadas derrotas" referindo-se às eleições presidenciais de Janeiro, "em que o presidente do governo até fez campanha eleitoral no Palácio de Santana por Manuel Alegre", e às eleições legislativas de Junho, "em que o PSD/Açores apoiou a candidatura de Passos Coelho e o PS/Açores tudo fez para reeleger José Sócrates".

A líder social-democrata disse que "o PS Açores está sem referências, pois não tem o presidente da república, não tem o primeiro-ministro e não tem ainda candidato a presidente do governo regional pelo que, em desespero de causa, tenderá a culpar tudo e todos como se fosse o único detentor da razão. Mas a vida política é feita de ciclos, e tudo tem um tempo próprio, foi o que aconteceu com Sócrates e é o que está a acontecer com César", considerou.

"O partido socialista está há demasiado tempo no governo dos Açores. O presidente do governo e os secretários regionais são sempre os mesmos, agarrados ao poder como lapas, como bem diz o nosso povo", sublinhou, lembrando que "Carlos César, Sérgio Ávila, Vasco Cordeiro e José Contente estão no poder há 16 anos", e que "César é mesmo o político mais antigo nos órgãos de governo próprio dos Açores. É deputado e governante, constantemente, há mais de 30 anos. Ora, quem disse aos açorianos que 20 anos de governo era muito tempo não pode pedir o mesmo tempo de governação", afirmou.

"O governo de César hoje, como o governo de Sócrates ontem, faz a política negra dos 3 D’s: desemprego, dívida e défice", considerou a presidente social-democrata, sustentado que " desemprego sobe, a dívida cresce e o défice esconde-se nas empresas públicas. Os Açores não precisam de um presidente de Governo palavroso, que se dedica a comentar o governo da república, quando este tem é uma cor política diferente da sua, porque o governo regional não existe para atribuir culpas aos outros, existe sim para assumir as suas responsabilidades", frisou.

"Numa altura em que tantas famílias açorianas se confrontam dramaticamente com os problemas do desemprego, ninguém compreende que o presidente do governo fique entretido com jogadas partidárias, mas o certo é que o PS quer desviar as atenções de uma triste realidade que não nos cansaremos de denunciar, pois o falta de emprego nos Açores é hoje a maior de sempre desde que vivemos em autonomia política, e só nos últimos dois anos cresceu mais de 50%, situando-se nos 9,5%, com mais de 11 mil desempregados.", referiu.

Para Berta Cabral, o novo governo da república "trouxe uma lufada de ar fresco ao nosso país e, apesar das continuadas dificuldades decorrentes da governação socialista, a mudança é vantajosa para Portugal e promissora para os portugueses. Saiu um governo esbanjador, entrou um governo responsável. Saiu um governo cansado, entrou um governo de mangas arregaçadas. Saiu um governo de boys, entrou um governo de gente com profissão", disse aos conselheiros do PSD/Açores.

"Há momentos em que devemos mudar antes que seja tarde demais. Foi isso que aconteceu em Portugal este ano e é isso que tem de acontecer nos Açores já no próximo ano, pois a governação do PS na região tem seguido a mesma trajectória da governação nacional do PS. Os socialistas só sabem governar quando há muito dinheiro, atiram o dinheiro para os problemas e varrem a dívida para debaixo do tapete. A dívida pública regional ascende a cerca de 2.500 milhões de euros em 2011, e quanto mais tempo o PS ficar no governo, mais difícil será o dia seguinte", avançou Berta Cabral.

"Ainda há pouco tempo, nas negociações com a Troika, o governo regional do PS não soube defender os Açores, porque uma coisa é o que o governo diz e outra, bem diferente, é o que o governo faz", disse a líder do PSD/Açores, exemplificando com a acção mais recente "de um governo zigue-zagueante, como a introdução das taxas moderadoras no serviço regional de saúde, que ontem mesmo aconteceu. Já nem está em causa se a medida deve ou não ser implementada, está em causa é que ela foi implementada de forma incoerente e injusta", considerou.

"O PSD assume uma preocupação no desenvolvimento integral dos Açores, não apenas no plano regional, mas em cada uma das nossas ilhas", disse a social-democrata, lembrando que os resultados provisórios dos Censos de 2011 confirmam uma tendência muito preocupante para a redução populacional de quase todas as ilhas, pois Santa Maria, Graciosa, São Jorge, Pico, Flores, e mesmo o Faial, estão a perder população. E isso demonstra o falhanço da denominada política de coesão que o governo socialista pomposamente anuncia e que infelizmente não pratica, afirmou.

"Queremos apostar num desenvolvimento sustentado e sustentável, capaz de dar respostas locais, em acessibilidades internas e externas que sejam bastantes, boas e baratas. Para isso é preciso apostar nos nossos recursos. Na nossa terra e no nosso mar, para que os açorianos em geral, e os jovens em particular sintam esperança no futuro das nossas ilhas. Queremos um verdadeiro projecto de mudança, onde a Autonomia Regional se cumpra plenamente através da autonomia das pessoas", concluiu Berta Cabral.

Ponta Delgada acolhe 3º Congresso Nacional dos Engenheiros Técnicos

O 3ª Congresso Nacional dos Engenheiros Técnicos que esta semana se vai realizar no Hotel Marina, em Ponta Delgada já tem o programa disponível. Segundo informação avançada pela organização no dia 6 de Julho decorrerá a chegada dos participantes, no dia 7 de Julho pelas 14h00 decorrerá a recepção e registo dos participantes, estando previsto às 14h30 a sessão solene de abertura. Entre as 15h00-15h30 decorrerá a apresentação de Estudo de Caracterização dos Engenheiros Técnicos (IED) pelo Professor Manuel Antunes. Logo depois entre as 15h30 e as 16h30 decorrerá a apresentação do tema Reabilitação Urbana (Panorama Nacional) painel este que contará como moderador o Eng.º Técnico Costa Gil, Presidente da Secção Regional da Madeira da ANET, irão intevir Teresa Passos (SRU-Lisboa Ocidental), João Paulo Craveiro (SRU-Coimbra), Rui Quelhas (SRU-Porto) e Luis Vaz (ANET).

Entre as 16:45-18:15 decorrerá a apresentação do painel Reabilitação Urbana (Panorama Regional) que será moderado por José Delgado - Vice-Presidente da Secção Regional do Sul da ANET, e que contará com as intervenções do Arq. Albano Sousa (Programa REVIVA-Ponta Delgada), Arq. Kol de Carvalho (Especialista), Vítor Batista Brasil (Câmara Municipal de Angra do Heroísmo); -Arq.ª Rita Campos - Urbhorta-Empresa Municipal (Câmara Municipal da Horta), e Maria João Barros (Universidade dos Açores). Entre as 18h15 e as 18:45 decorrerá um debate a que se seguirá o encerramento dos trabalhos

No dia 8 de Julho entre as 9h00 e as 11h15 decorrerá o 1º ciclo de Engenharia como formação habilitante para o pleno desempenho profissional sendo moderador Hélder Pita, Presidente do Conselho da Profissão da ANET, painel no qual irão intervir José Manuel Sousa - Professor Adjunto do ISEP/IP do Porto e Presidente do Colégio Engenharia, João Duarte Silva -Professor Coordenador do EST/IP de Setúbal e Administrador da A3ES, Elmano Margato -Professor Coordenador do ISEL/IP de Lisboa, José Maia -Professor Coordenador do EST/IP de Setúbal Jorge Bernardino -Professor Coordenador do ISEC/IP de Coimbra, Rui Bento Elias - Universidade dos Açores. Entre as 11h15 e as 11h30 haverá espaço para um debate.

Entre as 11:45-12:45 decorrerá a apresentação do painel Saúde e Segurança no Trabalho que será moderado por Bruno Carneiro - Secção Regional dos Açores da ANET, neste painel irão intervir Hugo Resendes -IRT - Inspecção Regional do Trabalho, José Delgado - Manutenção e segurança no Convento de Cristo (Tomar), e Gandra do Amaral - Segurança em bairros históricos. Às 12:45 terá lugar um debate.

Entre as 14h30 e as 16:30 decorrerá o painel Actividades regulamentadas que será moderado por António Sequeira Correia - Presidente da Secção Regional do Norte da ANET, no qual irão intervir Nuno Cota - Pres. do Colégio de Engenharia Electrónica e Telecomunicações da ANET, António Vassalo -ANACOM, João Paim - ANACOM - Açores, Luís Adão - Presidente do Colégio de Engenharia do Ambiente da ANET, Luís Santos - Centro Coordenador das Comunicações e Tecnologias de Informação e Inovação da Direcção Regional da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Fernando Nunes - Novo Regime de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Entre as 17h00 e as 18h00 irá ser apresentado o painel Exercício da profissão (Lei 31/2009 e Portaria 1379/2009) sendo moderador: Luís Filipe Almeida - Presidente da Secção Regional do Centro da ANET, no qual irão intervir Hélder Pita (Presidente do Conselho da Profissão da ANET), Pedro Brás (Vice-Presidente da ANET).

Às 18h15 decorrerá a apresentação de conclusões do 3.º Congresso dos Engenheiros Técnicos com a intervenção de António Gaspar da Silva -Presidente da Secção Regional dos Açores da ANET.

Homem morre ao fugir de incêndio em habitação na Fajã de Baixo

bombeiro_grande_180_180Um Incêndio urbano que ocorreu esta madrugada, na Fajã de Baixo, fez uma vitima mortal. De acordo com o que se consegui apurar junto das autoridades o alerta de incêndio foi dado pelas 4h20 sendo respondido de imediato pelos soldados da paz. A vitima mortal era Francisco Pacheco, lic. em gestão de empresas, e funcionário do Banif Açores.
De acordo com as autoridades a vitima tentou fugir do incêndio tendo saltado da janela do primeiro andar, a queda acabou por provocar graves danos, a vitima foi encaminhada para o hospital Divino Espirito Santo onde acabou por vir a falecer. O incêndio ocorreu na Rua do Egipto, na Fajã de Baixo e segundo os bombeiros o incêndio nao provocou graves danos na habitação. O corpo será hoje alvo de autopsia a que se seguirá a entrega do corpo aos familiares. O caso foi entregue ao Ministério Público.

Carlos César elogia qualidade da obra de requalificação da estrada de Água d´Alto

cesar-agua-daltoO Presidente do Governo dos Açores enalteceu a qualidade da obra de requalificação do troço de estrada entre as praias de Água d´Alto, que ontem de manhã foi formalmente inaugurada em cerimónia a que presidiu.

Na opinião de Carlos César, "conseguiu-se, em simultâneo, por um lado, proteger mais aqueles que circulam nesta estrada, os que frequentam toda a zona balnear que agora é completamente requalificada e por outro, fazê-lo respeitando um critério paisagístico que me parece ajustado ao lugar."

Fazendo notar que aquela estrada vai também ser beneficiada pela significativa diminuição de tráfego que decorrerá da entrada em funcionamento da Scuts, o Presidente do Governo lembrou, a propósito, que as acessibilidades a Vila Franca e à Povoação serão, no futuro, completamente diferentes.

Como explicou, uma viagem entre Ponta Delgada e a Povoação durará menos cerca de vinte minutos e o trajecto entre Ponta Delgada e Vila Franca poderá ser feito em apenas quinze minutos, o que, acrescentou Carlos César, constitui "uma mudança muito importante na estrutura rodoviária, nas acessibilidades, na segurança e na facilidade com que tudo decorrerá, a esse nível, na ilha de S. Miguel."

Aludindo aos sacrifícios que os habituais utentes daquela estrada tiveram de enfrentar no período em que decorreu a obra, o Presidente do Governo – lembrando que a manutenção da via aberta a isso obrigou – realçou as vantagens que, a partir de agora, toda a zona apresenta, não só para os automobilistas, como para quem costuma utilizar a zona balnear, ela própria mais qualificada como atractivo turístico.

"Valeu a pena para aqueles que esperaram e tiveram incómodos com isso, como também vale a pena para aqueles que criticaram esta obra, porque esta, como muitas outras obras, têm sempre uma fase em que há pessoas que as criticam; começam a falar mal antes de as ver, mas, depois, o tempo é sempre bom conselheiro para todos, inclusive para aqueles que, de falar mal passam a elogiar e a confrontarem-se com a qualidade daquilo que estamos a fazer",

Para além da requalificação da estrada da zona balnear de Água d´Alto, a obra inaugurada criou um passeio pedonal entre as duas praias e 150 novos lugares de estacionamento, o que evitar os grandes congestionamentos e tráfego até agora habituais numa zona muito procurada por banhistas.

Recorde-se que a praia Água d’Alto, Corpo Santo, Prainha e Vinha d’Areia são as praias do concelho de Vila Franca do Campo que mereceram a qualidade de ouro da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

Esta classificação atribuída pela Quercus tem por base a informação pública oficial, disponibilizada pelo Instituto da Água através do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

O objectivo desta classificação atribuída pela Quercus é realçar as garantias de praias que ao longo de vários anos (cinco, neste caso), apresentam sistematicamente boa qualidade, e que portanto, oferecem uma maior fiabilidade no que respeita à boa qualidade da água, confirmando ainda a sua excelência na última época balnear.

Em Vila Franca do Campo todas as praias de ouro são também galardoas pela Bandeira Azul e a Vinha d’Areia é também Praia Acessível.

Governo atribuiu apoios de 605 mil euros em habitação

ana-paula-marquesA Secretaria Regional do Trabalho e Solidariedade Social atribuiu quinta feira um pacote de apoios no âmbito da habitação, num montante superior a 605 mil euros e que beneficiará 39 famílias açorianas.
A informação foi avançada pela Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social durante a atribuição de apoios à recuperação de habitação degradada e à construção e aquisição de habitação, um evento que decorreu no edifício da Direcção Regional de Habitação, em Ponta Delgada, e que contou com a presença dos agregados familiares.
Na ocasião, Ana Paula Marques reiterou a aposta do executivo açoriano na recuperação e reabilitação de habitação degradada e no Incentivo ao Arrendamento, no âmbito do Programa Famílias com Futuro destinado a agregados familiares com carências habitacionais.

Estas modalidades, segundo a Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social, permitem abranger mais pessoas e resolver um maior número de problemas habitacionais.
De acordo com a governante regional, estas medidas visam contribuir para a fixação das pessoas nos seus locais de residência, para a ocupação da mão-de-obra regional e para o desenvolvimento da economia regional.
Ana Paula Marques aproveitou ainda a oportunidade para deixar palavras de esperança às famílias presentes e explicou que os apoios agora atribuídos visam proporcionar melhores condições de habitabilidade e de segurança aos agregados familiares abrangidos.