Artigos

Dois homens detidos na Terceira por posse e tráfico de estupefacientes

polcias-11Na tarde de quarta-feira, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, foram detidos pela Esquadra de Investigação Criminal da PSP dois homens por posse e tráfico de estupefacientes.
Segundo o comunicado da PSP, pelas 18H15, elementos da Esquadra de Investigação Criminal, na sequência do cumprimento de Mandados de Busca e Apreensão emanados no âmbito de processo criminal pelo crime de tráfico de estupefacientes, procederam à detenção de um indivíduo do sexo masculino, de 37 anos de idade, por posse de 376 doses de haxixe e 529 unidades de comprimidos “Serenal”, considerados substâncias estupefacientes e psicotrópicas, as quais foram apreendidas.
De igual modo se verificou que também ali, o indivíduo possuía uma quantia monetária de 2065,71 euros em dinheiro, uma arma branca (faca) e diversos objectos e documentos com interesse para a investigação.
Pelas 19H30, e pela mesma brigada, foi detido em flagrante delito um indivíduo do sexo masculino com 36 anos de idade, pelo crime de tráfico de produtos estupefaciente, por posse de uma dose de haxixe e 17 unidades de comprimidos “ Dormicon” consideradas substâncias estupefacientes e psicotrópicas, as quais foram apreendidas. No local, verificou-se que o homem também possuía 50 euros, uma arma branca (navalha) e diversos objectos e documentos com interesse para a investigação.

Plano de reestruturação da RTP “está pronto” e será entregue na próxima semana

 

O plano de reestruturação financeira da RTP "está pronto", garantiu fonte oficial da empresa à agência Lusa, e será entregue na próxima semana, quando o ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, regressar de uma viagem ao Brasil.

O referido plano, que tinha de estar pronto até ontem, tem como objectivo abordar o futuro mais próximo da RTP "com maior optimismo e maior eficiência", declarou já Miguel Relvas, governante com a pasta da comunicação social.

No começo de Agosto, no final de uma visita ao canal público, o ministro anunciou a data de 15 de Setembro, (ontem), como a limite para a apresentação de um plano de reestruturação financeira da RTP.

"Estamos a falar de canais de televisão e rádio públicos, que têm de ter objectivos de eficiência. Os investimentos que aqui são feitos são feitos com o dinheiro dos contribuintes portugueses e esse grau de exigência tem de existir", disse então Miguel Relvas.

A administração da RTP, liderada por Guilherme Costa, tem o plano pronto para entregar junto do ministro dos Assuntos Parlamentares, que se encontra no Brasil nas celebrações do centenário da Câmara de Comércio Portuguesa do Rio de Janeiro.

Recentemente, numa audição parlamentar, Miguel Relvas primeiro e Guilherme Costa posteriormente anunciaram a redução para quatro horas diárias da produção da RTP Açores e da RTP Madeira, uma das medidas que deverá englobar o plano da empresa.

De acordo com Miguel Relvas, são gastos 11,7 milhões de euros por ano na RTP Madeira e 13 milhões de euros na televisão açoriana, valores considerados demasiado elevados. Guilherme Costa, também ouvido no Parlamento, reconheceu que a RTP Açores e a RTP Madeira "têm custos excessivos" e podem trabalhar com menos meios.

Miguel Relvas defendeu também uma "gestão criteriosa" na RTP e na agência Lusa, reforçando o desejo de "potenciar sinergias" entre as duas empresas, nomeadamente na "partilha de instalações e meios" em delegações no estrangeiro, por exemplo.

Em paralelo, um grupo de trabalho liderado pelo economista João Duque tem vindo a estudar o conceito de serviço público de comunicação social, devendo ter pronto em Outubro as conclusões do seu trabalho.

Entretanto, a nova RTP Informação vai arrancar na segunda-feira com a ambição de "liderar o mercado" de cabo na área das notícias em 2012, disse esta semana o director de Informação da RTP, Nuno Santos.

Nova RTP Informação  arranca segunda-feira para "liderar mercado" em 2012 - Nuno Santos

Migrações: Reactivação da emigração pode levar ao despovoamento de algumas ilhas dos Açores

 

gilberta-rochaA reactivação do fenómeno da emigração nos Açores, originada pela crise económica, poderá resultar no despovoamento das ilhas com menor número de habitantes e menos desenvolvidas, já atingidas por elevados índices de envelhecimento.

O alerta foi feito ontem por Gilberta Rocha, investigadora da Universidade dos Açores, numa intervenção na 16.ª Conferência Internacional Metropólis, o maior fórum mundial sobre migrações que decorre em Ponta Delgada, acrescentando que estudos recentes indicam que apenas as ilhas de São Miguel e da Terceira revelaram crescimentos e equilíbrios demográficos nas últimas décadas.

Em sentido contrário, ilhas como São Jorge, Graciosa, Flores e Corvo registaram perdas da população da ordem dos 50 por cento e, segundo esta especialista, estão particularmente vulneráveis a um eventual retorno da emigração.

Gilberta Rocha, que falava num painel dedicado à mobilidade humana em contextos insulares, sublinhou que as ilhas, "por serem regiões normalmente mais débeis", confrontam-se com fenómenos de emigração "mais intensos".

"Nós precisamos de gente jovem em termos de renovação das gerações e de pessoas qualificadas para o desenvolvimento económico e social e podemos assistir a uma situação gravosa" se esses activos deixarem as ilhas, frisou.

No mesmo debate, Elizabeth Thomas-Hope, investigadora da Universidade de West Indies, na Jamaica, alertou para as consequências dos problemas ambientais e das alterações climáticas nas ilhas das Caraíbas, considerando que são fenómenos que restringem a "liberdade de não ter de emigrar".

Devido a dificuldades criadas às suas condições de vida por mudanças associadas ao aquecimento global, esta especialista admitiu que "milhares de pessoas poderão de ter de abandonar" as Caraíbas, sendo "prejudicadas na liberdade de ficar em casa".

 

No debate esteve também em destaque a especial ligação das ilhas aos fenómenos migratórios, considerando os conferencistas que as regiões insulares tanto podem funcionar como regiões de acolhimento de diásporas, de escala de emigrantes com outros destinos ou de emigração.

Paulo Menezes dá a conhecer a astronauta da NASA “projectos espaciais dos Açores”

Paulo-MenezesNo OneConnex, congresso dedicado às novas tecnologias que se está a realizar em Toronto, organizado pela GlobeStar Systems, o Director Regional da Ciência, Tecnologia e Comunicações, em representação do Presidente do Governo dos Açores, realçou a importância que a multinacional representa para os Açores.

 

Na sua intervenção, Paulo Menezes dirigiu-se e elogiou, em primeiro lugar, o açoriano fundador da empresa, David Tavares. "A região está orgulhosa deste empreendedor que, nos últimos anos, tem alcançado um enorme sucesso, em todo o mundo, com o produto ConnexAll", afirmou o governante. O ConnexAll está instalado em largas centenas de clientes por todo o Mundo. Somente no Canadá e USA existem mais de duzentos hospitais com ConnexAll.

O Director Regional sublinhou ainda que estão em curso alguns projectos na Região baseados nesta solução da empresa. Recorde-se que a GlobeStar Systems instalou-se nos Açores para o desenvolvimento do seu software, criando postos de trabalho e contribuindo para o desenvolvimento económico da região.

Paulo Menezes rematou, perante audiência de mais de uma centena de clientes da GlobeStar Systems, dizendo que " o ConnexAll tem um cheirinho dos Açores".

 

O evento, entre oradores ilustres, contou ainda com a presença de Rhea Seddon, uma das primeiras seis mulheres que integrou o programa espacial da NASA e que fez o seu primeiro voo, como astronauta no Shuttle, em 1985. O Director Regional aproveitou a ocasião para trocar algumas impressões com a astronauta sobre o percurso que os Açores têm efectuado no campo das tecnologias espaciais, dando a conhecer um pouco do investimento que tem sido feito nesta área por todas as ilhas.

Dois anos depois, estudantes reabrem o Bar Académico (BA) em Ponta Delgada

bar-acadmicoÉ já na próxima sexta-feira, 16 de Setembro, a reabertura do Bar Académico, BA, sito na Ladeira das Águas Quentes (Calheta), em Ponta Delgada.
Sob gerência da Associação Académica da Universidade dos Açores, AAUA, o BA (como sempre foi conhecido o bar dos estudantes) vai abrir portas, novamente, depois de dois anos de interregno.
No mesmo sítio, no mesmo espaço, o Bar Académico, no cruzamento da Ladeira das Águas Quentes com a Rua Engenheiro José Cordeiro tem festa de abertura marcada para a próxima semana, estando, nesta altura, o programa a ser preparado para o arranque de mais um espaço nocturno da cidade micaelense.
Esta reabertura coincide com o arranque do novo ano lectivo, altura em que começam também as praxes para os caloiros. As festas que se realizarem em torno dos mais novos serão, também elas, realizadas no Bar Académico, como de resto eram “antigamente”, explica Valquírio Barcelos, Presidente da AAUA.
O Bar Académico foi “uma das promessas da nossa associação. Dissemos que se tivéssemos condições financeiras [que na altura não tínhamos] iríamos abrir um Bar Académico”, referiu ao “Diário dos Açores” o presidente da AAUA, acrescentando que “neste momento as contas estão equilibradas e sentimos que os alunos da universidade necessitam de um espaço de convívio como o BA”. “Vamos abrir agora no início do ano lectivo como uma forma de cativar os alunos, voltando o espírito do Bar Académico”, disse Valquírio Barcelos.
O espaço vai ser gerido totalmente e apenas por estudantes, “um ponto muito a favor”. “Só os estudantes da universidade vão trabalhar, não temos quaisquer parcerias com bares nocturnos”, afirmou Valquírio Barcelos. “É um projecto empreendedor da AAUA, ou seja, é um projecto de estudantes para estudantes”, sublinhou.
A gerência a cargo de um grupo, um núcleo, mais responsável vai trabalhar no espaço e será, de certa forma, remunerado para acatarem com sucesso essa responsabilidade.
O espaço do Bar Académico, à semelhança das anteriores gerências, será arrendado pela AAUA.
Tal como no anterior ano lectivo, a AAUA vai organizar a ‘II Algazarra do Caloiro’ com concertos e muita festa, numa iniciativa que visa integrar os mais novos na Universidade dos Açores, UAç. Os after-party vão terminar sempre no Bar Académico, com preços de estudante, portanto, relativamente baixos, como confirmou à reportagem do “Diário dos Açores” o representante dos estudantes da academia açoriana.
Valquírio Barcelos faz o convite a toda a comunidade a participarem e serem presença assídua no Bar Académico. “O Bar Académico não é só para estudantes, está aberto a toda a comunidade. Podem visitar-nos pois essa é mais uma forma de integração do meio académico e universitário com a população em geral. Estão todos convidados”!