Presença dos Açores na Feira Nacional de Agricultura é importante para a Região

joão ponte feira de santaremO Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou ontem, em Santarém, que a presença de produtos dos Açores na Feira Nacional de Agricultura, através do stand da Associação Agrícola de São Miguel, constitui um momento importante de promoção da excelência daquilo que se produz no arquipélago.

“Esta Feira Nacional de Agricultura é uma montra muito especial para a promoção da excelência dos produtos dos Açores, do que se produz na Região e da qualidade dos nossos produtos”, frisou João Ponte, que falava no final de uma visita ao stand da Associação Agrícola de São Miguel na 55.ª Feira Nacional de Agricultura, que decorre até Domingo.

O governante salientou que esta visita pretende enaltecer e reconhecer a importância da agricultura para a economia dos Açores, o peso que o sector tem no contexto nacional e o contributo que a Associação Agrícola de São Miguel dá à notoriedade às produções açorianas com a sua presença.

Simultaneamente, a presença dos produtos açorianos nesta feira, destacou João Ponte, potencia uma maior proximidade com os consumidores e gera oportunidades de negócios.

“Por tudo isso, o Governo Regional vê com muita satisfação o sentido estratégico que a Associação Agrícola de São Miguel dá, como organização de produtores, com a sua presença, representando os Açores na maior feira de agricultura do país”, salientou.

O Secretário Regional considerou que, se os Açores querem conquistar mais consumidores, ganhar novos mercados, promover a qualidade das produções e valorizar mais o que é bem produzido, “inevitavelmente” têm que estar presentes em certames como este que decorre em Santarém.

João Ponte referiu que, no último ano, os indicadores do sector agrícola são positivos, salientando que a produção de leite aumentou, o volume de negócios das indústrias de lacticínios cresceu 4% em relação a 2016, houve um aumento da produção de queijo e uma redução da transformação do leite de consumo e leite em pó.

“Contudo, ainda não estamos a conseguir valorizar o suficiente o preço do leite pago ao produtor”, afirmou, acrescentando que “alcançar uma valorização que permita que os produtores tenham um rendimento melhor, seja mais justa e garanta a sustentabilidade deste importante sector da actividade económica da Região” é um grande desafio que deve envolver e mobilizar todos os agentes da fileira do sector leiteiro.

A Feira Nacional de Agricultura, que atrai anualmente cerca de 200 mil visitantes, conta com sete centenas da expositores, dispondo o espaço da Associação Agrícola de São Miguel de cerca de 143 metros quadrados, onde estão em destaque produtos como o leite, o queijo e a carne.

Abate de bovinos para consumo local e exportação continua a aumentar nos Açores

vacas pastosA Secretaria Regional da Agricultura e Florestas informou ontem que, nos primeiros cinco meses deste ano, comparativamente a igual período de 2017, registou-se um crescimento de 8,4% nos abates de bovinos para consumo local e de quase 12% para exportação.

Entre Janeiro e Maio, o total de bovinos aprovados para abate nos matadouros dos Açores totalizaram cerca de 28 mil cabeças, o que representa um crescimento de 10% face ao período homólogo de 2017.

Os abates de bovinos com Identificação Geográfica Protegida (IGP) continuam acima dos 30%, tendo passado de 780 cabeças, em 2017, para 1.018 este ano.

De acordo com dados dos operadores no mercado regional, a carne de vaca já obteve este ano uma valorização de 10 a 15 cêntimos por quilo, os vitelões de 15 a 20 cêntimos por quilo e os novilhos valorizaram cerca de 20 cêntimos por quilo.

Esta dinâmica positiva na fileira da carne de bovino resulta do trabalho e da aposta dos produtores, bem como das políticas adoptadas pelo Governo Regional e do investimento que tem sido levado a cabo, nomeadamente ao nível da rede regional de matadouros.

O aumento do consumo local de carne nos Açores está ainda relacionado com o crescimento do sector do turismo na Região.

Por outro lado, o aumento da exportação de gado vivo para países como os do norte de África tem feito com que haja maior escassez de carne no país, levando a um aumento da procura pela carne dos Açores.

Vasco Cordeiro destaca percurso “notável” da Agricultura nos Açores

Vasco Cordeiro e Jorge Rita - dia da agriculturaO Presidente do Governo destacou ontem, nas comemorações do Dia Nacional da Agricultura, o “percurso absolutamente notável” que o sector tem feito nos Açores, salientando que isso se deve também à capacidade que os agricultores da Região têm demonstrado para ultrapassar os desafios.

“Os Açores têm feito um percurso absolutamente notável, não apenas no que tem a ver com o sector dos lacticínios, mas ao nível de todo o sector agrícola. Os agricultores açorianos são, desse ponto de vista, um exemplo na capacidade de resposta aos desafios que lhes são colocados, quer na quantidade, quer na qualidade” das suas produções, afirmou Vasco Cordeiro.

O Presidente do Governo falava numa iniciativa promovida pela Associação Agrícola de São Miguel, que contou com o apoio do Governo dos Açores, a propósito do Dia Nacional da Agricultura, e que juntou, no recinto do mercado agrícola, cerca de quatro mil crianças de várias escolas da ilha.

Segundo Vasco Cordeiro, o trajecto feito pela agricultura açoriana faz com que este sector tenha uma importância económica e social significativa na Região, mas também, no caso específico dos lacticínios, uma grande relevância a nível nacional.

“Com cerca de 2,3 por cento do território nacional, os Açores produzem mais de 30 por cento do leite nacional e cerca de 50 por cento do queijo que é produzido no país”, destacou o Presidente do Governo, para quem isso é possível, sobretudo, com a “dedicação e com a competência de todos os envolvidos neste processo”.

“Mas há aspectos que urge melhorar, há desafios que estão à nossa frente, e um desses desafios que nos mobiliza a todos tem a ver com a negociação do próximo quadro comunitário de apoio”, referiu Vasco Cordeiro, reafirmando que o Governo dos Açores não está satisfeito com a proposta da Comissão Europeia para o Orçamento para o período pós 2020.

Depois de ter visitado toda as actividades destinadas às crianças, acompanhado pelo Presidente da Associação Agrícola de São Miguel, Jorge Rita, e pelo Presidente da Confederação dos Agricultores Portugueses (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa, Vasco Cordeiro salientou que esta foi uma “grande iniciativa e de muito mérito, no sentido de proporcionar este contacto mais directo das crianças e dos jovens com este sector”. “Passa também por aqui, por iniciativas como esta, a valorização e a dignificação deste sector, dando a conhecer às novas gerações a forma como muitos dos produtos que consumimos no nosso dia a dia são produzidos”, afirmou o Presidente do Governo.

Feira Açores 2019 vai decorrer na ilha do Faial, revela João Ponte

João Ponte feira faialO Secretário Regional da Agricultura e Florestas destacou a importância da agricultura para o desenvolvimento económico do arquipélago, assim como a dinâmica e a evolução verificadas nos últimos anos neste sector quer nos Açores, quer, em particular, no Faial, ilha que vai acolher a ‘Feira Açores’ em 2019.

“Se somarmos a receita da produção de leite no último ano ao valor que a CALF paga aos produtores, acrescendo as ajudas do POSEI e PRORURAL+, são cerca de 10 milhões de euros que entram na economia do Faial, a que acresce toda a dinâmica económica gerada por este sector”, afirmou João Ponte, que falava Domingo, na Horta, à margem de uma visita ao ‘Encontro do Mundo Rural’.

Os cerca de 100 produtores de leite do Faial entregam anualmente 12 milhões de litros de leite, o que corresponde a 2% da produção regional.

João Ponte reiterou a importância de se aumentar a produção de leite no Faial, no sentido de rentabilizar a indústria e, simultaneamente, a fábrica da CALF apostar mais na produção de produtos lácteos, que possam obter maior valorização no mercado.

O Secretário Regional salientou também o crescimento que se tem verificado no sector da carne, lembrando o investimento que o Governo dos Açores tem feito ao nível da rede regional de matadouros, adiantando que o novo matadouro do Faial, orçado em 4,8 milhões de euros, “vai ser inaugurado dentro de poucas semanas, para dar resposta à dinâmica de crescimento nesta fileira”.

“Nos últimos três anos o número de bovinos abatidos cresceu cerca de 60%, o que dá nota da grande evolução registada na fileira da carne na ilha do Faial”, frisou, acrescentando que, no ano passado, “cerca de 30% dos animais abatidos foram para exportação”.

No último dos três dias do ‘Encontro do Mundo Rural’, uma iniciativa da Câmara Municipal da Horta, em colaboração com o Governo Regional e outros parceiros, João Ponte considerou que se trata de um evento “bastante positivo”, por ser um “momento importante para mostrar a dinâmica e a evolução do sector agrícola nos últimos anos”.

Para João Ponte, a chuva que marcou o último dia deste evento é de “extrema importância para todo o sector agrícola”, manifestando o desejo de que a chuva que se registou Domingo no Faial possa chegar também às ilhas a oriente, pondo fim a uma situação que começa a fixar complexa, devido à seca prolongada.

O titular da pasta da Agricultura adiantou ainda que estão em fase de conclusão os projectos de remodelação e reabilitação do Solar de São Lourenço, da Ermida e do Pavilhão de Exposições da ilha do Faial, na Quinta de São Lourenço, salientando que a intenção do Governo dos Açores é “lançar a obra a concurso o mais depressa possível para ver se será possível concluí-la em 2019”.

Caso não seja possível, João Ponte assegurou “a determinação do Executivo em melhorar as condições deste excelente complexo para a realização de eventos”, como o ‘Encontro do Mundo Rural’, a ‘Feira Açores’ ou outros.

João Ponte defende pacto conjunto pela inovação da Agricultura nos Açores

João Ponte - dia da produçãoO Secretário Regional da Agricultura, João Ponte, defendeu ontem o estabelecimento de um pacto de cooperação envolvendo o Governo, os agricultores, as associações, a indústria e os académicos para e pela inovação da Agricultura nos Açores, incorporando, deste modo, cada vez mais valor ao que é produzido.

“Não chega produzir bem e com qualidade. É preciso cada vez mais apostar na inovação, para ganhar notoriedade e para captar novos mercados”, afirmou João Ponte, salientando que na Região “já há trabalho feito nesta área, mas podemos ir mais além”.

O governante falava na abertura do seminário “Açores um valor acrescentado”, no âmbito das comemorações do Dia da Produção Regional, que decorreu no Pavilhão de Exposições de São Miguel, no concelho da Ribeira Grande, perante uma assistência de duas centenas de participantes.

Para João Ponte os Açores devem estar “na linha a frente” em matéria de novas tendências de mercado, considerando que “não podemos continuar a assistir ao desinteresse por parte do sector às medidas do PRORURAL + referentes à inovação”.

“Podemos e devemos ser um viveiro para o lançamento de novos produtos, que vão ao encontro das necessidades dos consumidores, que seja mais bem valorizados”, disse o Secretário Regional, com a pasta da Agricultura, acrescentando que “é na diversificação económica, na produtividade e na qualidade em geral, que os Açores devem continuar a crescer”.

João Ponte destacou que a comemoração do Dia da Produção Regional é uma boa ocasião para despertar a consciência dos produtores regionais para melhorarem a eficiência das suas explorações, por forma a produzirem com menos custos, mas também para reflectir sobre as tendências futuras dos clientes e a necessidade da Região ajustar as suas produções às preferências dos consumidores.

“Esta é também a ocasião para chamar a atenção para a necessidade de consumirmos muito mais o que é nosso, o que é produzido localmente, não só pela qualidade e frescura dos alimentos, mas também para deixarmos, nas nossas ilhas, mais-valias económicas”, considerou.

João Ponte insistiu que é fundamental incrementar as exportações da produção regional, tirando desde logo partido dos circuitos já estabelecidos por Portugal com países estrangeiros e procurando novos clientes.

Por outro lado, apesar dos agricultores estarem cada vez mais especializados, o governante disse ser “absolutamente necessário” continuar a investir na formação, com foco na inovação.