“Ocean Dream” hoje em Ponta Delgada com 1.200 passageiros

portas do marO terminal das Portas do Mar, em Ponta Delgada, recebe hoje o “Ocean Dream”, navio que se encontra ao serviço da nipónica Peace Boat. 

Esta é uma organização não governamental e sem fins lucrativos, que organiza viagens pelo mundo com o objectivo de promover a paz, assim como os direitos humanos e o respeito pelas questões ambientais. 

Segundo a Portos dos Açores, na presente viagem, a 101ª do género, os cerca de 1200 passageiros que se encontram a bordo estão a realizar uma ‘world voyage’, iniciada no passado dia 20 de Abril, em Yokohama, no Japão. 

Até chegar a Ponta Delgada, o “Ocean Dream” já visitou a China, Singapura, Egipto, Grécia, Itália, Espanha, Marrocos, entre outros, e ainda tem previsto escalas nos Estados Unidos da América, Chile, Polinésia Francesa e Austrália. 

Este longo périplo deverá terminar a 2 de Agosto, quando o navio regressar ao país do sol nascente, mais precisamente a Osaka.

O “Ocean Dream” foi construído em 1981, nos estaleiros dinamarqueses Aalborg Vaerft, então com a designação Tropicale, para a Carnival Cruise Lines. 

Posteriormente, navegou como Costa Tropicale, ao serviço da conhecida Costa Crociere e ainda como Pacific Star, com o pavilhão da P&O Cruises Australia. 

A actual designação remonta a 2008 quando esteve ao serviço da espanhola Pullmantur. 

Como características principais, salientamos os 204 metros de comprimento, 27 metros de boca, 7 metros de calado e 35,190 toneladas de arqueação bruta. 

Na sua capacidade máxima, pode transportar até 1400 passageiros com 500 tripulantes.

O navio tem previsto atracar no porto desta cidade cerca das 10 horas e deverá zarpar pelas 22 horas.

 

Tarifário dos portos e marinas dos Açores actualizado a partir de 1 de Julho

porto ponta delgada1A empresa Portos dos Açores, S.A. anunciou ontem um aumento de 2,5% no tarifário dos portos e das marinas e núcleos de recreio náutico sob a sua jurisdição a partir do próximo dia 1 de Julho.

Após uma década sem alterações nas tarifas portuárias na região, a actualização “teve em consideração o regulamento do sistema tarifário dos portos da Região Autónoma dos Açores, que determina que as tarifas devem ser actualizadas, anualmente, tendo em perspectiva os custos totais inerentes à disponibilidade e ao uso dos meios operacionais e humanos integrados nas unidades prestadoras dos serviços portuários ou fornecedoras de bens”, explica em comunicado a instituição que gere os portos açorianos.

A Portos dos Açores recorda que o tarifário portuário no arquipélago “manteve-se inalterado” entre 2009 e 2018, “tendo em conta a conjuntura económica e financeira que se fez sentir em Portugal e também nos Açores”, aliada à “necessidade de garantir, durante esse período, alguma estabilidade nos preços dos bens aos cidadãos e às empresas regionais”. 

A partir de 2015, assistiu-se à “inversão desta realidade”, “traduzida num contexto completamente diferente, que permitiu à economia dos Açores registar níveis de crescimento relevantes e consistentes”, sendo neste contexto que é agora actualizado o tarifário, salienta a empresa.

“Neste contexto, e porque a taxa de inflação acumulada para os anos de 2017 e 2018 corresponde a 2,51%, a Portos dos Açores, S.A. procedeu, nos termos da lei, à actualização de 2,5% do valor unitário das tarifas que constam do Regulamento de Tarifas da Portos dos Açores, do Regulamento de Tarifas das Marinas e Núcleos de Recreio Náutico e do Regulamento de Tarifas Específicas”, lê-se. 

Para a Portos dos Açores, a medida “estabelece o acompanhamento do valor unitário das tarifas face à evolução mais recente dos preços, sem ter, na realidade, em consideração o facto da taxa de inflação acumulada entre 2008 e 2018 ter atingido uma percentagem de praticamente 20% (mais precisamente 19,78%, com base no IPC regional sem habitação) e estando ainda longe desses valores, apesar da atualizações verificadas em 2018 e a definida para 2019”.

A instituição acrescenta ainda que, “mesmo com estes constrangimentos, o volume de investimento realizado pela administração portuária atingiu um total de 122,5 milhões de euros, desde 2011”, ou seja desde o processo de fusão das antigas três administrações portuárias existentes no arquipélago.

A empresa destaca também o seu plano de investimentos para o próximo triénio (2019-2021)m que se situa “na ordem dos 136 milhões de euros”, visando a melhoria de infraestruturas e superestruturas e a modernização dos equipamentos portuários. 

Detido suspeito de incendiar habitação na Lagoa

PJ

Um homem de 53 anos de idade foi detido por suspeitas de ter incendiado uma habitação, colocando em risco a casa contígua onde viviam dois idosos. 

A informação foi ontem avançada pela PJ em comunicado, que explica que os factos ocorreram “há dois dias”, (na segunda-feira), no concelho da Lagoa, “numa casa de habitação que se encontrava devoluta e da qual já foi proprietário”.

O suspeito, refere a PJ, “terá agido movido por motivos fúteis e num quadro de excesso de consumo de bebidas alcoólicas, indiciando-se que tenha utilizado como fonte de ignição um isqueiro ou cigarro aceso, com o qual deitou fogo a um dos quartos, propagando-se depois as chamas”. Apesar da “rápida actuação do bombeiros, que prontamente conseguiram debelar o incêndio”, a PJ frisa que “foi criado perigo, não só para o resto da habitação, como também, por projecção das chamas, para outra casa contígua, onde residiam duas pessoas idosas e com dificuldades de locomoção”.

O detido, sem ocupação laboral, foi presente às autoridades judiciárias, com vista à aplicação das medidas coactivas “tidas por mais adequadas”.

 

Produtores de banana da Região com 30% acréscimo nas ajudas do POSEI

João Ponte - bananaO Secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou ontem, em São Miguel, que será paga no final de Junho a ajuda do POSEI relativa à produção de banana em 2018, cujo montante global será “o maior de sempre”.

“Isto acontece porque em 2018 a dotação da ajuda foi reforçada em relação a 2017 e a produção registada cresceu cerca de 20%”, afirmou João Ponte, adiantando que “o valor da ajuda relativo à produção de 2018 que será pago no final de Junho será de 46 cêntimos, o que significa um acréscimo de 30% em relação ao valor pago no ano anterior, apesar de ficar ainda aquém do valor da ajuda prevista no POSEI”.

O governante, que falava à margem da visita a um produtor de banana no concelho de Vila Franca do Campo, sustentou que 2018 foi um bom ano de produção de banana, acrescentando que, só nos últimos quatro anos, o crescimento da área de cultivo deste fruto, comercializado interna e externamente, foi superior a 8%.

“Este ano, a produção deverá ser menor devido à seca registada na Região em 2018, com consequências no ciclo de produção do fruto, mas tem-se verificado uma subida do preço pago ao produtor e, logo, uma maior valorização da produção”, frisou o Secretário Regional.

João Ponte assegurou que o Governo dos Açores vai continuar a garantir, no âmbito do POSEI, as dotações necessárias com vista à ajuda a esta produção, salientando que este ano foram já introduzidas melhorias, como a repartição do pagamento da ajuda em dois semestres e novos critérios de atribuição, com o intuito de reforçar os critérios de equidade e de justiça na repartição dos apoios públicos.

O titular da pasta da Agricultura revelou que a portaria em vigor, que regula a atribuição da ajuda à banana, será revista, de modo a permitir que todos os produtores recebem o apoio, apesar das respectivas organizações de produtores não estarem ainda reconhecidas, pois, se assim não fosse, um conjunto de produtores ficariam penalizados.

“O Governo Regional reconhece que a legislação, tal como estava, não protegia todos os agricultores por igual e optou por corrigir a situação em benefício dos produtores de banana”, afirmou João Ponte.

PSP leva a cabo por 24 horas operação “Segurança Activa”

pspO Comando Regional da PSP dos Açores irá desenvolver a operação “Segurança Activa”, através de um ajustado emprego dos meios humanos e materiais de que dispõe.

A operação terá a duração de 24 horas seguidas, arrancando às 07h00 de amanhã, 31 de Maio de 2019 às 07h00 do dia 01 de Junho de 2019.

Em comunicado enviado às redacções, a PSP informa que no âmbito rodoviário, vão ser desenvolvidas operações de fiscalização rodoviária, nos períodos e locais de maior acumulação de tráfego e zonas de acumulação de acidentes, “dissuadindo comportamentos de risco, bem como promovendo desta forma uma condução responsável e segura para todos os utentes da via”.

A PSP irá ainda efectuar acções de fiscalização nos terminais rodoviários, incidindo especialmente, em acções delituosas contra veículos pesados de passageiros e seus motoristas; fiscalização da condução sob influência do álcool e substâncias psicotrópicas de veículos de passageiros; fiscalização das disposições legais que regulamentam o transporte colectivo de crianças e acções delituosas contra o património, nomeadamente no mobiliário urbano e equipamento de uso público.

Este operação tem também por objectivo promover acções de prevenção criminal junto dos vários centros históricos/comerciais, nos terminais de transportes rodoviários, nos locais de concentração ou passagens de pessoas; junto das escolas nomeadamente através dos programas Escola Segura e locais onde eventualmente esteja previsto o decurso de eventos de maior dimensão.

O Comando Regional da PSP dos Açores refere, igualmente, que “tendo em conta as zonas urbanas sensíveis existentes o efectivo empenhado nesta operação irá tentar controlar os grupos de indivíduos suspeitos (quer de consumo, quer de trafico de estupefacientes, ou ainda suspeitos de outros crimes) procedendo à sua abordagem, revista e eventuais detenções, privilegiando ainda a fiscalização rodoviária nas entradas e saídas destes bairros, abordando também, as respectivas viaturas”.

Junto das áreas e dos estabelecimentos de diversão nocturna, a PSP irá proceder a acções de fiscalização policiais aos cafés, bares e locais de reunião de pessoas, especialmente no que concerne ao regime de disponibilização, venda e consumo de bebidas alcoólicas por parte de menores e fiscalização do exercício da actividade de segurança privada.