Centro de Terapia Familiar em Ponta Delgada acompanha anualmente cerca de 300 famílias

familiaSegundo a agência Lusa, o Centro de Terapia Familiar e Intervenção Sistémica, nos Açores, formado há 15 anos, acompanha anualmente 300 agregados, ajudando-os a ultrapassar dificuldades e crise relacionais, apesar da vergonha que ainda existe em recorrer a este apoio.
“Muitas vezes ainda há vergonha em recorrer a este tipo de profissionais, no entanto é bom que se divulgue que as famílias devem recorrer [a eles], porque são situações difíceis”, afirmou Rúben Santos, da direcção do Centro de Terapia Familiar, com sede em Ponta Delgada.
 No total, 20 técnicos–entre psicólogos, sociólogos e assistentes sociais–, trabalham no Centro de Terapia Familiar e Intervenção Sistémica, que reúne quatro valências: terapia familiar e intervenção sistémica, integração familiar, ponto de encontro familiar e núcleo de acompanhamento de comportamentos desviantes.
Os dados oficiais indicam que nos Açores existem 82 mil famílias, sendo que, nos últimos anos, a família tradicional, composta por pai, mãe e filhos, tem passado por grandes transformações, fruto do aumento da taxa de divórcio.
“Normalmente temos aqui famílias referenciadas pelo Instituto de Desenvolvimento Social dos Açores e outras IPSS’s locais. São famílias, normalmente com dificuldades económicas ou dificuldades relacionais, que apresentam situações na sua dinâmica familiar de alguma crise e instabilidade relacional”, referiu Rúben Santos.
O responsável precisou que a tarefa dos técnicos ao serviço no centro passa por falar das expectativas de todos os membros de um agregado familiar e ouvir o que cada um deles sente sobre como é estar e viver naquela família.
“Em média, nós atendemos cerca de 500 crianças, 540 adultos e 300 famílias. Há variações de ano para ano”, afirmou Rúben Santos, acrescentando que o tipo de famílias atendidas é cada vez mais variado, embora haja maior incidência de famílias monoparentais, reconstituídas e famílias de adopção/acolhimento.
Rúben Santos adiantou que o contexto de crise económica que se vive em Portugal tem contribuído para o surgimento de “novos pobres” entre a classe média, com um ou ambos os membros do casal desempregados, o que acarreta novos problemas para estas famílias, que têm de se readaptar.
Desde o final de 2012 que o Centro de Terapia Familiar está envolvido no “programa impacto”, que abrange cerca de dez famílias que passaram por situações de violência doméstica.
“O programa impacto foi construído numa cooperação com a Universidade da Corunha (Espanha), com o Centro de Terapia e a Direcção Regional da Solidariedade e Segurança Social. O objectivo foi construir um guia de sensibilização para quem trabalha com a área da violência”, sustentou.

Movimento “Queremos a Calheta de volta” pede auditoria ao Tribunal de Contas

Movimento Queremos a Calheta de VoltaO movimento “Queremos a Calheta de Volta” avançou ontem com um pedido de investigação ao Tribunal de Contas (TC) de Ponta Delgada. A organização requereu uma auditoria ao que foi construído naquela zona, uma vez que beneficiou de fundos públicos.
No documento enviado ao TC, o movimento solicita que se “proceda à fiscalização da legalidade, regularidade e correcção económica e financeira da aplicação dos dinheiros e valores públicos, procedendo a uma auditoria à ASTA-Atlântida - Soc. de Turismo e Animação SA”. O objectivo, segundo referem, é “apurar o destino dado aos benefícios públicos e, perante os conhecidos incumprimentos legais, apurar a razão pela qual o Governo Regional dos Açores ainda não desencadeou os mecanismos legais à sua disposição para, no estrito cumprimento legal, zelar pela defesa e restituição dos interesses públicos”.
No mesmo texto, os representantes da organização, Manuel Moniz, José Manuel Santos Narciso e David Rodrigues, relembram as “notícias que têm vindo a público sobre a proposta de plano da Administração de Insolvência para a recuperação da ASTA-Atlântida - Soc. de Turismo e Animação SA”, sublinhando que a mesma empresa “beneficiou de dinheiros públicos que ascendem a vários milhões de euros e de outros valores inerentes a uma concessão pública”, pelo que se encontra “sujeita à jurisdição e ao controlo financeiro do Tribunal de Contas”.
No pedido de auditoria, o movimento salienta ainda que “incumbe ao TC a verificação do cumprimento do caderno de encargos e se houve profundas alterações (no mesmo) depois da adjudicação da concessão pública, colidindo com a lei dos mercados públicos e da concorrência”.

PSP apreende 2137 doses de droga e 1495 euros em São Jorge

apreensão psp2A Polícia de Segurança Pública (PSP), por intervenção dos elementos da Esquadra de Velas, detiveram na passada sexta-feira, pelas 18h50, um homem, de 30 anos, por tráfico e produção de estupefaciente.
De acordo com informações divulgadas no comunicado, a apreensão surgiu após uma acção de fiscalização que culminou em buscas domiciliárias, na residência do ora detido, tendo deste modo sido apreendidas 2137 doses de Cannabis, 36gr de Sementes, 84 plantas de Cannabis, diverso material utilizado na produção de estupefaciente, 1495 euros, uma arma de ar comprimido, 18 armas brancas e um telemóvel.
O detido foi presente a primeiro interrogatório judicial no Tribunal Judicial de Velas, no sábado, tendo-lhe sido aplicada a medida de coacção de prisão preventiva.
Já na ilha de São Miguel, no concelho de Ponta Delgada, a PSP deteve um homem, de 26 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.49 g/l.
Segundo o relatório de actividade policial relativo ao passado fim-de-semana, foi ainda detido um homem, de 53 anos de idade, por crime de violência doméstica contra a cônjuge.

Esquadra de Trânsito detém 10 pessoas
A mesma fonte relata a detenção, no sábado, por intermédio da Esquadra de Trânsito, de três homens, de 30, 42 e 60 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com as TAS de 1.44; 1.77 e 2.07 g/l, respectivamente. Outros três homens, de 25, 38 e 60 anos de idade, foram igualmente detidos no domingo por condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com as TAS de 2.27; 1.63 e 2.13 g/l.
A PSP prendeu pelo mesmo motivo mais dois indivíduos, de 20 e 27 anos de idade, outro de 28 anos de idade por ameaças, injúrias e condução de um veículo automóvel, sob a influência de álcool, com uma TAS de 1.24 g/l, e, por último, um homem, de 23 anos de idade, por condução de um veículo automóvel, sem habilitação legal.
Já na Esquadra de Lagoa, foi detida, uma mulher, de 39 anos de idade, por condução de um ciclomotor, sem habilitação legal.
Na freguesia da Maia, a polícia deteve um homem, de 21 anos de idade, por cultivo de substâncias estupefacientes, tendo sido apreendidas nove plantas de Cannabis Sativa L.
Na mesma localidade, foi detido pelo crime de violência doméstica, um homem, de 56 anos de idade, após ter agredido fisicamente e psicologicamente/emocionalmente a sua ex-cônjuge.
Já na Ribeira Grande, no âmbito de diligências de investigação, foram efectuadas duas buscas, tendo sido detido, um homem, de 18 anos de idade, por tráfico de estupefacientes, nomeadamente cultivo de Cannabis Sativa e furto.
Ao detido foram apreendidos 5 painéis de rede, várias ferramentas, duas bicicletas completas e dois quadros, tudo no valor de algumas centenas de euros e ainda 6 plantas de Cannabis Sativa L.

Câmara da Ribeira Grande lança hoje Carta Social do concelho

camara ribeira grandeA Câmara Municipal da Ribeira Grande lança hoje a Carta Social do concelho da Ribeira Grande.
Segundo nota da autarquia, a Carta Social tem como objectivo primordial o fácil acesso à informação e à rápida consulta das várias ofertas que o Concelho proporciona, quer a nível das crianças e dos Jovens, das pessoas idosas, das pessoas com necessidades educativas especiais ou com dependências, das pessoas carenciadas, como da população em geral, independentemente do seu sexo ou idade.
A Carta pretende disponibilizar “mais e melhor informação ao cidadão sobre a rede de serviços e equipamentos sociais existentes no concelho da Ribeira Grande, localizando-os e identificando o seu âmbito de ação”. “Será pois, uma ferramenta de fácil acesso e uso que se quer viva e em contínua construção e actualização, acompanhando o ritmo da própria sociedade”, lê-se na mesma nota.

Lions Clube de S. Miguel conquista prémio nacional

lions clubeO Lions Clube de São Miguel conquistou o primeiro lugar, a nível nacional, no “Concurso de Eficiência Lionística”,no âmbito do programa do Governador Frederico Burnay para o presente “Ano Lionístico”.
O anúncio da distinção foi feito pelo próprio Governador, no decurso da Convenção dos Lions, realizada em Lisboa em finais do transacto mês de Abril, no momento da ordem de trabalhos destinado a fazer o reconhecimento público de vários “Companheiros” e Clubes Lions que se distinguiram no Ano Lionístico em curso, em função da sua dedicação ao trabalho voluntário, assim cumprindo e fazendo cumprir o Programa anual do Presidente Internacional e da Governadoria Nacional, ao intervirem com grande sucesso nas suas Comunidades.
Segundo avançou a organização em comunicado de imprensa, na altura da entrega da condecoração, o Governador fez questão de enaltecer o excelente “Ano Lionístico” que o Lions Clube de S. Miguel está a fazer, o mesmo tendo depois repetido em mensagem a Cidália Silva, que posteriormente lhe enviou, dando-lhe conta do galardão que ao Clube acabava de atribuir.
Frederico Burnay referiu na mensagem ser “com grande satisfação” que veio comunicar que, “durante os trabalhos da XXIV Convenção Distrital, realizada em Lisboa no passado dia 27 de Abril”, teve “o grato prazer de anunciar publicamente que o Lions Clube de S. Miguel foi o grande e justo vencedor” do concurso.
Afirmando, na sua mensagem, ser esta, efectivamente, “a forma singela de reconhecer a liderança de Cidália Silva, quer pelas boas práticas da Secretaria e Tesouraria, quer pela participação e grande empenho nas Actividades de Serviço e publicação de Boletim, entre outras”, Frederico Burnay finalizou a sua mensagem acrescentando que “para os Lions e, particularmente, para os Companheiros do Lions Clube de S. Miguel, a força, a liderança e a vontade de servir manifestada pela Companheira Cidália Silva é motivo de orgulho e exemplo a seguir”.
Já a a presidente do clube, Cidália Silva, afirmou: “foi com muito gosto que vi reconhecido o trabalho do Clube, tendo constituído uma grande honra e uma agradável surpresa receber esta notícia”.
“Trabalhamos para o Bem do nosso Clube e sem esperar nada em troca a não ser passar a mensagem de um verdadeiro lionísmo, ajudando os que mais precisam e sensibilizando as comunidades para os problemas actuais da saúde, da educação e da cultura”,  sublinhou a Presidente do Lions Clube de S. Miguel que admitiu que a atribuição deste “prestigiante” prémio constituía um forte incentivo para “continuarmos a enaltecer o nome do nosso Clube e dos Lions dos Açores” não dispensando e desejando firmemente o apoio, a presença e o estímulo dos Lions comprometidos com o lema “Nós Servimos”.
Para além1º prémio, atribuído ao Lions Clube de S. Miguel, e do 2º e do 3º prémios, atribuídos a dois Clubes Lions da região da Grande Lisboa, no âmbito deste “Concurso de Eficiência Lionística” foram ainda atribuídas duas Menções Honrosas, uma das quais ao Lions Clube da Lagoa (S. Miguel), fruto da eficiência revelada e da actividade desenvolvida, sobretudo no âmbito da “Casa Lion” que, com grande mérito, este Clube criou e mantém em funcionamento há já vários anos.