Edit Template

Saúde Pública e a Saúde do público, semana a semana (35):

Uma Nobre Arte, tantas vezes maltratada

“Só no Sul, a região do país com mais falta de médicos e onde se inclui a Região Autónoma dos Açores, os dados revelam que em 2022 entraram na OM 426 pedidos de declarações e que em 2023, até ao início de dezembro, tinham sido recebidos 341 pedidos.”

Os dados para análise: este país não é para médicos que honram o Juramento de Hipócrates

Esta semana analisemos alguns dados, saídos em 2 jornais nacionais. No Público, do dia 18.12.2023, soubemos que 24,7% “dos” 1737 jovens médicos tem sinais graves de exaustão, num inquérito em que a Ordem dos Médicos quis apurar níveis de burnout. O burnout resulta da conjugação de sintomas relacionados com exaustão emocional, desumanização, despersonalização e perda de realização profissional, refere o mesmo artigo. 55,3% dos médicos internos em formação especializada estão em risco de desenvolver esta síndrome (estes dados foram recolhidos entre 7 de Agosto e 22 de Setembro de 2023, através de questionário online, e teve uma taxa de resposta de 16,9%).
O inquérito revelou ainda que “64,7% dos inquiridos têm exaustão emocional grave, 45,8% despersonalização grave e 48,1% uma diminuição grave de realização profissional”. 35,3% dos respondentes disseram ter iniciado algum tipo de apoio psicológico ou psiquiátrico durante a formação especializada.
A média de idades dos internos que responderam ao inquérito foi de 29,9 anos. “Em teoria terão mais 30 anos de carreira pela frente. Em que condições e qual a responsabilidade do sistema relativamente a estas pessoas ao permitir este nível de burnout?”, disse ao Público o Dr. José Durão, da Ordem dos Médicos (OM).
Sobre as condições de trabalho, “84,8% disseram que realizavam horas extraordinárias, sendo a média de horas de trabalho semanal de 52,8 horas”. Mais de metade (55,1%) realiza pelo menos uma vez por mês turnos superiores a 12 horas, 62,1% realizam trabalho nocturno e 93,5% trabalham fora do horário laboral. 54,4% consideram ter uma relação entre vida pessoal e profissional desequilibrada ou muito desequilibrada. 43,4% dos internos “referiram encontrar-se satisfeitos ou muito satisfeitos com a formação especializada”.
Por seu lado, no DN do mesmo dia 18.12.2023, ficamos a saber que 453 médicos do Centro e Sul pediram à Ordem declarações para sair do país, em 2023. Mais do que no ano de 2022. E que nos últimos 5 anos quase dois mil médicos do Centro e Sul pediram à Ordem dos Médicos (OM) declarações de “good standing”, uma espécie de certificação e de qualificação profissional que lhes permite exercer fora de Portugal, frequentar internatos da especialidade, estágios ou pós-graduações. Só no Sul, a região do país com mais falta de médicos e onde se inclui a Região Autónoma dos Açores, os dados revelam que em 2022 entraram na OM 426 pedidos de declarações e que em 2023, até ao início de dezembro, tinham sido recebidos 341 pedidos. Em 2021 entraram 263 pedidos, em 2020 entraram 302, e em 2019 entraram 338.
Para o internato da especialidade, a iniciar a 1 de janeiro de 2024, ficaram por preencher 406 vagas, o que quer dizer que mais estes jovens médicos, que acabaram o curso na faculdade, não optaram pela formação específica. Agora, ou trabalham como médicos indiferenciados e prestadores de serviços ou vão fazer a sua formação no estrangeiro.
“As coisas têm vindo sempre a piorar, e cada vez mais. O que faz com que os médicos procurem outras alternativas, ou no estrangeiro ou no sector privado. Mas as saídas não acontecem só por uma questão remuneratória”, diz o Bastonário da OM no DN. “Os médicos estão a sair do SNS porque estão insatisfeitos, porque não se sentem bem e porque vêem o SNS a desmoronar-se de dia para dia”, argumenta ainda. O bastonário diz mesmo: “Sou médico há mais de 25 anos e nunca vi tanta insatisfação e desmotivação no serviço público, porque as pessoas não veem uma luz ao fundo do túnel e acham difícil que seja encontrada uma solução.”
A maioria dos médicos a pedir declarações de good standing está na faixa etária dos 30 aos 40 anos. O Reino Unido é dos países que continua a ser mais procurado, mas há outros, como a Alemanha, a Suíça, a Irlanda, os Estados Unidos da América, o Canadá, a Austrália, a Arábia Saudita. As novas gerações basicamente querem “mais qualidade de vida, e tempo para a vida pessoal”.
De 2012 para 2022, a OM passou de 44.497 médicos inscritos para 61.235, mais 16.738; no SNS apenas há registo de mais 6895 novos médicos, o que quer dizer que quase 10 mil ficaram de fora ou saíram. Os números do Ministério da Saúde referem que o SNS integra cerca de 31 mil médicos.
Os dois sindicatos médicos andaram 19 meses a negociar com a tutela. O Sindicato Independente dos Médicos aceitou um ditado, plasmado num aumento até metade do que estava a ser pedido. A Federação Nacional dos Médicos constata que o que foi assinado “é um mau acordo”, e espera que quem vier a seguir retome as negociações.

A Ciência da Semana: a Variante JN.1

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a variante JN.1 como “variante de interesse”, devido à sua “rápida disseminação”. Segundo a OMS, a variante JN.1 do SARS-CoV-2 “poderá aumentar o peso das infecções respiratórias em muitos países” do hemisfério norte, com o aproximar da estação do inverno.
A OMS assegura, no entanto, que as vacinas em circulação para a covid-19 (que previnem a doença grave e morte) actuam contra esta variante, que deriva da linhagem BA.2.86 (originada na variante Ómicron).

A homenagem da semana: aos responsáveis clínicos da Unidade de Saúde de São Miguel
 
Esta semana soubemos pela secretária regional da Saúde, Mónica Seidi, que o Centro de Saúde de Ponta Delgada se encontra a realizar 160 consultas extra por dia, das quais 60 estão a acontecer no âmbito do SAC (Serviço de Atendimento Complementar) e as restantes estão a ser realizadas pelos 50 médicos de família da instituição (duas consultas por dia por cada médico). Segundo a secretária regional, o objetivo é “retirar pressão” do serviço de urgência do Hospital do Divino Espírito Santo (HDES), a fim de “deixar o serviço de urgência só mesmo para aquelas situações imprescindíveis e que têm de ser avaliadas por um médico de cuidados diferenciados”. Está ainda previsto um “reforço” da Linha de Saúde Açores, com o intuito de “tentar que os utentes, antes de se dirigirem ao serviço de urgência, façam um primeiro contacto para que possam ser aconselhados por profissionais de saúde”.

Um Santo e Feliz Natal para todos. Muita saúde!

Mário Freitas*

*Médico consultor (graduado) em Saúde Pública, competência médica de Gestão de Unidades de Saúde

Edit Template
Notícias Recentes
Governo activa regime de apoio á emergência climática
Alexandre Gaudêncio destaca importância do XX Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia
Câmara da Lagoa apresenta ópera “Suor Angelica”
Carreiras dos farmacêuticos no Parlamento
República financia captação de águana Praia da Vitória
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores