Edit Template

Hoteleiros dos Açores estão mais pessimistas e perspectivam menor taxa de ocupação na Páscoa

Para esta época da Páscoa os hoteleiros açorianos estão menos optimistas do que no ano passado.
Segundo um inquérito da Associação da Hotelaria de Portugal, a que o nosso jornal teve acesso, os hoteleiros dos Açores, numa ampla maioria, espera pior taxa de ocupação, quer nasférias da Páscoa quer no fim de semana festivo, mas quanto ao ADR (receita por quarto ocupado) tenderá a manter-se idêntico ao de 2023.
No inquérito, que decorreu entre os dias 8 a 17 de Março, consideram-se 2 períodos: o das férias escolares (23 de Março a 7 de Abril) e o fim de semana da Páscoa (28 a 31 de Março).
Por taxa de reservas entendem-se as marcações/reservas feitas para esses períodos (on the books).
Segundo os dados recolhidos, a taxa de reservas para este período está atualmente nos 56%, no país, com um preço médio por quarto (ADR) fixado em 135 euros, ambos os valores “on the books”.
Já em relação à taxa de ocupação (TO), as expectativas dos hoteleiros é de que atinjam os 73% a nível nacional.
Analisando as diferentes regiões, o Algarve destaca-se como o destino com a taxa de reservas mais elevadas, atingindo os 65%, seguido da Grande Lisboa com 61%, dos Açores com 57% e da Madeira com 53%.
Por outro lado, a Península de Setúbal apresenta a taxa de reservas mais baixa, com 33% de reservas até ao fecho do inquérito.
No que diz respeito à taxa de ocupação, a Grande Lisboa espera atingir os 79%, seguida pela Madeira com 77% e pelo Algarve com 76%.
Estas previsões refletem a especial confiança dos hoteleiros destes destinos na procura durante o período das férias escolares da Páscoa.
Em comparação com o mesmo período de 2023, 46% dos hoteleiros estimam que será igual.
Só 31% consideram que será melhor e 22% acham que será pior.
A região mais optimista, relativamente à TO, é a do Algarve (para 58% dos inquiridos a TO das férias da Páscoa de 2024 será melhor) seguida do Centro e do Alentejo.
A região mais pessimista é a dos Açores.
Em termos de ADR “on the books”, a Madeira lidera com um valor de 165 euros, seguida do Alentejo com 157 euros e da Grande Lisboa com 150 euros.
A Península de Setúbal apresenta, também aqui, o ADR mais baixo (73 euros).
Por comparação com o ano de 2023, para 60% dos inquiridos o ADR será superior, com destaque para os hoteleiros da Grande Lisboa; Península de Setúbal e Alentejo.
O fim de semana da Páscoa regista uma taxa de reservas de 57% e um preço médio por quarto (ADR) de 141 euros, ambos valores “on the books”.
Os hoteleiros antecipam uma taxa de ocupação (TO) de 75%.
Analisando as diferentes regiões, observa-se que a Grande Lisboa lidera com uma taxa de reservas de 65%, seguida de perto pelo Algarve com 63%, do Centro com 56%, e da Madeira e dos Açores com 54%.
Por outro lado, a região Norte apresenta a taxa de reservas mais baixa, com apenas 43%.
Quanto à taxa de ocupação esperada, a Grande Lisboa lidera com previsão de atingir 83%, seguida pelo Algarve com 78%, Centro com 77% e da Madeira com 74%.
Em comparação com o ano de 2023, 42% dos hoteleiros estima que será igual, 36% dos hoteleiros estimam que será melhor e 22% que será pior.
Em relação ao ADR, a Madeira surge no topo da lista com 173 euros, seguida pelo Alentejo com 170 euros e a Grande Lisboa com 156 euros.
A região Oeste e Vale do Tejo regista o ADR mais baixo, fixado em 97 euros.
Quando comparado com 2023, 65% estimam que seja melhor, 18% igual e 17% pior.
Quando questionados sobre a comparação com o ano de 2023, quanto à TO, 42% dos hoteleiros estima que será igual, 36% dos hoteleiros estimam que será melhor e 22% que será igual.
Quanto aos três principais mercados a nível nacional, nas férias escolares, 87% dos hoteleiros referiram o mercado nacional como sendo o principal.
O mercado espanhol foi mencionado por 55% dos participantes, enquanto o Reino Unido foi citado por 40%.
Os Estados Unidos e a Alemanha também foram mencionados, com 31% e 26% das respostas, respetivamente.
Quanto ao fim de semana, 88% dos hoteleiros destacaram o mercado nacional como o mais relevante.
Na sequência, 63% mencionaram o mercado espanhol, seguido pelo Reino Unido com 35%, os EUA com 29% e a Alemanha com 26%.
No Algarve, o mercado nacional é o principal mercado, seguido do mercado britânico.
Já na Madeira, o mercado alemão e o britânico foram os mais mencionados pelos hoteleiros e estão à frente do mercado nacional.
Nos Açores, o mercado nacional é apontado como o principal mercado pelos hoteleiros, seguido da Alemanha e dos Estados Unidos.
O canal de reserva mais utilizado para este período, tanto nas férias escolares como no fim de semana da Páscoa, é a Booking.com, seguida do website próprio.

Edit Template
Notícias Recentes
Produtores e Industriais das pescas criticam Lotaçor por praticar preços superiores à congénere madeirense
Menos pescado e menos valor descarregados em Maio nos portos dos Açores
Insolvências subiram 117% em Ponta Delgada nos primeiros 5 meses deste ano
O melhor do nacional de surf é já depois de amanhã na Ribeira Grande
Bolieiro diz que incêndio deve ser encarado como oportunidade para tornar HDES numa “referência”no país
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores