Edit Template

BE questiona Governo sobre técnicos auxiliares

O Bloco de Esquerda defende avanços imediatos na transição dos assistentes operacionais do Serviço Regional de Saúde para a carreira de técnico auxiliar de saúde com retroactivos a 1 de Janeiro de 2024 e quer saber por que motivos o Governo Regional está a atrasar este processo que já está concluído no continente.
No fim do ano passado, o Governo da República criou a carreira especial de técnico auxiliar de saúde, que abrange os assistentes operacionais da área da Saúde, reconhecendo que prestam um serviço que os distingue dos restantes assistentes operacionais da Administração Pública.
No início do passado mês de Fevereiro, em esclarecimento aos órgãos de comunicação social a propósito do processo de transição dos assistentes operacionais para a nova carreira de técnicos auxiliares de saúde, o Governo Regional referiu que “à Região Autónoma dos Açores cabe fazer cumprir a lei, em todos os casos, nomeadamente no que respeita à definição de carreiras, tarefa exclusiva da República”.
No entanto, o Governo suspendeu o processo de transição alegando que caberia “ao futuro Governo abrir o diálogo aos sindicatos e instituições, para que se possam definir os critérios de inclusão dos candidatos a esta nova carreira”.
Estamos já no mês de Abril e a transição dos assistentes operacionais do Serviço Regional de Saúde para a carreira de técnico auxiliar de saúde continua por concretizar, afirma o BE.
Tendo em conta que a legislação nacional já estabelece as regras relativas a esta transição, o Bloco enviou um requerimento a perguntar ao Governo Regional quais as matérias em que considera ser necessário haver uma negociação.
O Bloco estranha esta posição até porque, como o próprio Governo Regional assumiu, é tarefa do Governo da República definir carreiras e que à região cabe cumprir a lei.
O Bloco quer saber quando tenciona o Governo Regional proceder à efectiva aplicação deste diploma nos Açores e se está assegurada a sua aplicação com retroactivos a 1 de Janeiro de 2024, de modo a garantir a justiça da aplicação desta medida nos Açores em comparação com o que acontece no continente, apesar do atraso verificado.

Edit Template
Notícias Recentes
União Desportiva do Nordeste comemora os 50 anos do clube
2ª edição da formação “Cidadania Digital: Riscos e Oportunidades da Internet”
Bolieiro manifesta oposição à criação de uma taxa turística regional
Actividade ambulatória de Pediatria regressa amanhã ao HDES
Há 5 municípiosnos Açores com mais procura de casas para viver no campo
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores