Edit Template

Debates penosos

Nunca mais chega o dia 4 de fevereiro! Esta é, seguramente, umas das frases mais ouvidas nos últimos tempos. Mas, como ainda falta 15 dias, vamos continuar a assistir a um triste filme. Tem sido penoso assistir a determinados episódios. Para quem, como eu, segue as noticias todas; passa pelos sítios eletrónicos dos partidos e ainda acompanha o que se vai dizendo pelas redes sociais, não faltam coisas erradas e que até que custam a crer.
Para não ser exaustivo, vou saltar o inacreditável rol de promessas e juras e também não vou fazer qualquer referência individual aos diversos mensageiros, e fixar a minha análise num capitulo que é elucidativo de tudo o resto. Refiro-me aos debates. Um desastre! Uma vergonha! Muito maus! Como é possível? Impreparados! Nem ler o que outros escreveram sabem! E andam há 20 ou 30 anos nisto! Zero ideias! Que desilusão! Medo!! E por aí fora. Esta é a avaliação fora da bolha política.
O “retrato” dos Açores que tem sido dado aos heroicos telespectadores é medonho! E, pior, não há qualquer esperança. Estamos, a acreditar no que se tem passado no Arquipélago na Ribeira Grande, condenados. O melhor é fechar para obras. Ou emigrar. Ou fugir. Ou, simplesmente, gritar. Gritar bem alto! Ajudem-nos!! Ninguém merece viver nesta negra Região. Tudo o que foi feito está mal feito ou foi feito demasiado tarde. Sendo certo que está quase tudo por fazer! E soluções? E uma visão de futuro? Para onde nos querem levar daqui a 10, 20 ou 50 anos? Pouco mais do que zero!
Valha-nos, conforme ironicamente já escrevi, que a minha Ilha e a minha Região são outra. A minha terra não tem a cor negra com que a pintam. A minha terra tem um passado de dificuldades – estruturais, sociais, económicas, etc… – que me inspiram a ajudar a ultrapassar. A minha terra tem um futuro brilhante à sua frente. Os meus filhos usufruirão de uns Açores muito melhores do que o meu.
É nisto que acredito. É nisto que os candidatos a deputados, sejam ou não políticos profissionais, deviam estar concentrados. Se assim fosse, ter-se-ia falado de propostas para melhorar a qualidade de vida dos Açorianos e não de constantes diagnósticos, números, estatísticas e afins. Estamos todos fartos disso!
Queríamos ver compromissos e propostas para a Saúde, Educação, Solidariedade Social, Agricultura, Pescas, etc… etc… Coisas reais, percetíveis para todos e com efeitos práticos na vida dos nossos concidadãos que vive no Pico, nas Flores ou na Graciosa. Será que tudo isso fica para o debate de São Miguel? Duvido. Mas se assim for… não há maior razão do que essa para reduzir a metade o número dos nossos representantes!

Hernâni Bettencourt*

*Jurista

Edit Template
Notícias Recentes
Cardoso Jorge, Presidente da Casa do Povo: “Há falta de creches; só no Pico da Pedra temos 60 famílias em lista de espera”
10 artesãos homenageados no Dia da Freguesia dos Arrifes
Prisão preventiva para suspeito do crime de tráfico de estupefacientes na Ribeira Grande
Já arrancaram os voos da SATA de Toronto e Boston para Funchal
Exposição “Fringe” na ilha de São Jorge
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores