Edit Template

Regiões europeias querem mais investimento para não prejudicar coesão

Na 10.ª Cimeira Europeia das Regiões e dos Municípios, por ocasião da qual também se assinalou o 30.º aniversário do Comité das Regiões Europeu (CR), os líderes locais e regionais apresentaram uma declaração ao Primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, representante da actual Presidência do Conselho da União Europeia.
A Declaração de Mons estabelece as principais prioridades do poder local e regional para uma Europa mais forte, mais justa e mais resiliente, entre as quais se encontram: Reforçar o investimento público: são necessários mais recursos orçamentais para fazer face aos desafios atuais e futuros. Os investimentos devem nortear-se pelo princípio de «não prejudicar a coesão» e reconhecer que a Política de Coesão tem de continuar a ser o instrumento mais importante e visível da UE para reduzir as disparidades, reforçar a competitividade da UE e impulsionar uma transformação inovadora a longo prazo; Definir soluções locais para os objectivos climáticos: os órgãos de poder local e regional devem ter acesso directo ao financiamento da UE para desenvolver soluções inovadoras que ajudem a cumprir os objectivos do Pacto Ecológico, alcançar a neutralidade climática e promover o desenvolvimento sustentável e a prosperidade económica; Responder às necessidades regionais: todas as políticas da UE devem promover a igualdade de oportunidades, combater a pobreza, garantir empregos seguros e assegurar a igualdade de género em todas as regiões da UE, reconhecendo as suas diferentes características, nomeadamente as das regiões ultraperiféricas, rurais e urbanas; Alargamento e reformas da UE: os líderes regionais e locais devem participar ativamente na preparação das reformas e do processo de alargamento da UE. A preparação do alargamento a todos os países candidatos deve assentar no princípio da parceria e promover a governação a vários níveis e a descentralização; Subsidiariedade ativa: o Comité das Regiões Europeu deve desempenhar um papel mais forte na estrutura institucional e no processo legislativo da UE. Nas futuras reformas da UE, o nível local e regional da democracia europeia deve ser reforçado através de reformas da subsidiariedade ativa.
Antes da adopção da Declaração de Mons, os dirigentes dos grupos políticos do Parlamento Europeu e vários dos seus cabeças de lista dirigiram-se aos representantes políticos locais e regionais numa sessão dedicada às eleições europeias.
A promoção da participação democrática e o contributo para um debate público aberto sobre os desafios e as oportunidades da UE são os principais objectivos do CR no sentido de mobilizar os cidadãos europeus para votar.
A declaração da cimeira dos dirigentes locais e regionais constituirá a posição das regiões e dos municípios a transmitir aos dirigentes das instituições da UE e aos chefes de Estado e de Governo, que se reunirão em Bruxelas, a 21 e 22 de Março, bem como na preparação das eleições europeias.
Vasco Cordeiro, Presidente do Comité das Regiões Europeu, declarou: “Mais de 3500 representantes locais e regionais reuniram-se em Mons para manifestar o seu empenho num futuro mais forte, mais justo e mais resiliente para a Europa. As regiões e os municípios não são meros executores das políticas da UE, são atores de pleno direito do projeto europeu com o poder de produzir resultados concretos para os cidadãos. Com a Declaração de Mons, apelamos a um papel mais forte para o Comité das Regiões Europeu na definição do futuro da Europa.”

Edit Template
Notícias Recentes
há 4 médicos por mil habitantes nos açores, abaixo da média nacional
Venda de carros novos dispara nos dois primeiros meses
Câmara de P. Delgada reforça em 60% verbas para as Juntas de Freguesia
Livro reúne testemunhos sobre os 50 anos do 25 de Abril nos Açores
Câmara Municipal de Ponta Delgada e Greenvolt entregam Bolsas de Mérito a alunos do ensino secundário
Notícia Anterior
Proxima Notícia

Copyright 2023 Diário dos Açores