Só de Setembro a Março deste ano SATA agravou o seu passivo em mais de 100 milhões de euros

sata 321 neoSó de Setembro do ano passado a Março deste ano a SATA agravou o seu passivo em 106 milhões de euros.

De acordo com uma análise às contas trimestrais da SATA, enviadas pelo governo ao parlamento esta semana, percebe-se que a SATA Air Açores agravou o seu passivo de 59,9 milhões de euros em Setembro do ano passado para 120 milhões em Março deste ano, quase o dobro.

Por sua vez, na SATA Internacional a evolução do passivo foi de 96,7 milhões de euros em Setembro passado para 150,6 milhões de euros em Março deste ano.

A comparação com setembro tem a ver com o facto de apenas se conhecerem até setembro as contas do ano passado.

O governo enviou ao parlamento apenas os relatórios de Janeiro a Setembro, faltando o último trimestre.

Outro dado que ressalta à vista nas contas do primeiro trimestre deste ano é a evolução da dívida a fornecedores na SATA Air Açores, que passou de 15,8 milhões de euros para 19, 3 milhões de euros.

Outro dado importante na SATA Air Açores é a rubrica “Outras contas a receber”, que se presume seja do governo, que sobe de 40,4 milhões de euros para 75,2 milhões de euros, provavelmente pagamentos em atraso.

Na SATA Internacional a subida, na mesma rubrica, é de 21,3 milhões de euros para 43,7 milhões, mais do dobro, não se percebendo o porquê destes valores, que normalmente vêm explicados no relatório de gestão, mas que não foram revelados pelo governo.

Outro dado surpreendentemente elevado são os FSE (Fornecimento de Serviços Externos), que incluem os alugueres de aviões, que custaram 25,5 milhões de euros, para uma facturação de apenas 20,6 milhões de euros.

Os custos com pessoal foram mais 7,9 milhões de euros.

Analisando as contas até Março, já é certo que os resultados são negativos em ambas as empresas: menos 708 mil euros na regional e menos 14,5 milhões na Internacional.

 

Novos aviões da SATA atrasados

 

A Airbus admitiu que não irá conseguir cumprir os prazos de entrega dos novos aviões encomendados pela SATA Azores Airlines, avançou ao Dinheiro Vivo o director comercial da transportadora açoriana, Gavin Eccles. 

A fabricante pediu até 2021 para concluir o pedido. Até lá, a SATA aceitou usar modelos provisórios. 

A companhia aérea tem encomendados quatro A321neoLR (long range) e três A320neo, mas “os modelos LR ainda nem estão no mercado. Só daqui a dois anos”, explicou Gavin Eccles ao Dinheiro Vivo, acrescentando que a entrega deverá estar concluída em 2021. 

Entretanto, a Airbus disponibilizou, em Abril e Maio deste ano, dois novos A321neo à companhia aérea. 

A SATA optou por aeronaves com uma configuração de duas classes. 

No total, têm capacidade para transportar 186 passageiros, dos quais 16 viajam em classe executiva e 170 em económica. 

Ao que indica o director comercial da SATA, a principal diferença destes aviões está no facto de o consumo de combustível ser mais reduzido. 

Comparativamente aos aviões antigos (A321), Gavin Eccles diz estar já a assistir a uma poupança de 50% por voo. 

 

SATA relança programa Stopover 

 

Este ano, a SATA prepara-se também para relançar o programa Stopover nas viagens entre os Estados Unidos da América e Portugal. 

“É uma oportunidade para os norte-americanos conhecerem os Açores a caminho de Portugal pelo preço de um único bilhete”, reconhece o director comercial da companhia nas declarações àquele jornal digital.

O programa foi originalmente lançado há cinco anos, mas esteve na sombra. 

O que é que falhou da primeira vez? “A comunicação”, reconhece Gavin Eccles . 

O website oficial do Stopover da Azores Airlines estará concluído daqui a “umas semanas”, revelou. 

Para a operação de Verão, a estratégia da companhia passa pela “consolidação da frequência de voos em destinos para onde já voávamos”, explica o responsável, referindo-se a Boston, Providence e Oakland, nos EUA, e a Toronto e Montreal, no Canadá. 

A SATA abriu ainda uma operação sazonal para Londres. 

Estão disponíveis voos semanais directos, aos Sábados, do Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, para a capital do Reino Unido.